RSS

Ordenação Feminina


Este tema tem sido tratado com argumentos veementes a favor e contra. É uma preocupação de interesse da igreja moderna. Algumas proposições de emendas constitucionais têm sido trazidas ao plenário do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil. Submetidas ao voto dos presbitérios têm sido reprovadas. Contudo alguns continuam indignados com esta posição da IPB e houve tempo que até as páginas de nosso órgão oficial foi usado fazendo ouvir estas vozes. Instituições teológicas de nossa denominação vêm doutrinando seus alunos quanto a este tema acalorado e o embate espera hibernando.

Entendemos que se esta reivindicação encontrar fundamento em argumentos bíblicos e sólidos, deva ser alvo de nossas futuras mudanças, mas se estas mudanças venham a refletir um modismo, fundamentado tão somente na mentalidade moderna, nas pressões sociais, nos fundamentos da psicologia humanista ou numa visão imposta pelo feminismo, então que conheçamos e nos apoiemos em razões sólidas para a defesa da fé que de uma vez por todas foi entregue aos santos.

Esta aberta a discussão sobre este tema.

Anúncios
 

146 Respostas para “Ordenação Feminina

  1. Seminarista Josielson

    20 maio, 2008 at 11:33 pm

    Infelizmente, percebe-se em nossas igrejas, um profunda crise de liderança masculina. Os homens, na sua maior parte, preferem cruzar os braços e não só deixam como leva as mulheres a fazerem trabalhos que a eles fora confiados.
    Em muitas igrejas, as mulheres é que preparam os elementos da Ceia, ao invés dos diáconos. Mulheres têm pregado a Palavra de Deus, devido a escassez de varões poderosos em palavra. As mulheres não estão tomando o espaço dos homens. Os homens é que têm cedido espaço nas Igrejas. Cabe a cada um de nós, lutar pelo fortalecimento das nossas sociedades,principalmente as que produzirão os futuros Presbíteros e Diáconos da IPB. Sociedades estas que, em muitas Igrejas no Brasil, são meros números de relatórios anuais dos presbitérios.

     
    • MÁRIO SÉRGIO

      9 outubro, 2009 at 6:14 pm

      BOM DIA IRMÃOS,

      É UMA PENA VER IRMÃOS PRESBITERIANOS COM UM CERTO GRAU DE CONHECIMENTO DA PALAVRA SER TÃO LIBERAIS ASSIM AO PONTO DE QUEREREM DAR “PALPITES” EM QUE JESUS DEVERIA TER FEITO. É UM ABSURDO, VEJO ASSIM: SE JESUS QUISESSE MULHER PARA PASTOREAR ELE TINHA ESCOLHIDO PELO MENOS UMA. DESAFIO QUALQUER IRMÃO A ENCONTRAR ESSA MULHER NA BIBLIA, SE ASSIM FOR MUDAREI MINHA OPINIÃO.

       
      • andre

        28 dezembro, 2010 at 4:11 pm

        Caros amigos, tem coisas mais importantes, a fazer em nossa vida, ex: ganhar almas para o Senhor.
        não fiquem querendo ser melhor que as mulheres não, pois aos olhos do pai somos iguais.
        Quanto a você Mario, a letra mata mais o Espirito vivifica acho que você nunca leu sobre, Ester Rute, Noemi, e varias outras. muitos tem que se cuidar pois se não irá p/ o inferno seja homem o mulher.

         
      • Antonio

        17 maio, 2011 at 6:17 pm

        È COM TRISTEZA QUE AINDA HOJE ENCONTRAMOS PESSOAS QUE SE DIZEM CRISTÃS SEM O CONHECIMENTO NECESSARIO DA PALAVRA DE DEUS. JESUS NÃO SÓ TEVE “DISCIPULAS” COMO ESTA NA BIBLIA. O QUE DIZER DE MARIA MADALENA, MARIA (MAE DE JESUS), ALEM DE OUTRAS MULHERES QUE EVANGELIZARAM JÁ NO INICIO DA IGREJA CRISTA. AINDA:;RUTE, RAABE, DEBORA, ENTRE MUITAS QUE TRABALHARAM NO PROPOSITO DE DEUS.

         
    • Anônimo

      20 janeiro, 2011 at 7:42 pm

      Amado irmão concorco com você.A mulher em muitas igrejas já servem ao Senhor independente de titulos ou não.Deus chamou todos para servi-lo. Tenho conhecimento do que a mulher biblicamente é para o homem.Muitos Maridos dentro das nossas igrejas alegam que a mulher não pode realizar o serviço diaconal,mas concordam que a mulher deva trabalhar com o seu suor para ajuda-los no sustento da casa.E que elas tenham funções iguais as deles.(advogadas,médicas…)

       
    • Nilson Ferreira Gaspar

      12 julho, 2011 at 2:32 pm

      Homens nas igrejas exitem sim para o oficio. infelizmente existem tambem falsas interpretaçoes das Escrituras no que tange à ordenança de mulhes. Mas, quando a igreja deixa de ser cristocentrica, sugem todo tipo de absurdos, isto é o de menos!

       
  2. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    21 maio, 2008 at 6:01 pm

    Seminarista Josielson.
    Nõe tenho a pretensão de defender biblicamente este assunto, só desejo argumentar a parte prática do mesmo:
    Falta de liderança, advém, pelo meu entender, da falta de gente chamada por Deus e devidamente treinada para suas funções. Para que isso ocorra, é preciso que haja gente disponível para o trabalho Senhor e interesse e CAPACIDADE das igrejas locais para o treinamento desses homens.
    Nestes dias de correria, de disputa por um lugar ao sol; dias em que as empresas sugam quase tudo o as pessoas têm: tempo, talento, capacidades. E que exigem deles cada vez mais capacitação variada, menos podemos contar com tais pessoas nas igrejas. Isso ocorre com homens, mulheres e jovens de ambos os sexos.
    Por outro lado, concordo que há apatia da parte de muitos homens presbiterianos em assumir o papel da diaconia da Igreja, ocasionando uma lacuna para algumas igrejas locais. Não é o caso da minha igreja em particular.
    Penso que em alguns trabalhos mais insipientes possa haver carência de homens e não veja nada contra pedir as AUXILIADORAS para ajudarem, contudo, não vejo base bíblica para, conforme as nossas NECESSIDADES, colocar mulheres no lugar de oficiais da Igreja. Cada coisa tem o seu lugar na serviço do Senhor, mas não vejo as mulheres com oficiais.
    Creio que gente muito mais experiente do eu darão suas opiniões respaldades em tratados bíblicos sobre o tema, mas, só porque precisamos acomodar aos modismos ou à necessidades de algumas igrejas locais que estão falhando na consagração de vidas ao Senhor, vejo uma falha corrigindo outra.
    Se a coisa for assim, nesse ritmo, muitas outras razões nos farão abandonar a Bíblia para adaptar decisões de homens ao invés de ordenação divina.
    Sou contra a ordenação de mulheres para a diaconia.
    O pouco que conheço da Bíblia sobre o tema me faz pensar e aceitar o que está decidido na IPB: Diáconos, Presbíteros e Pastores. Nehum oficial a mais.
    Dilécio

     
  3. Wesley Porfírio Nobre

    21 maio, 2008 at 11:20 pm

    Sou favorável a ordenação feminina. A luz da palavra de Deus não vejo nada que proiba ou condene a instituição de pastoras, prebíteras e diaconísas na IPB.

    Tenho 35 anos, sou administrador, casado, pai de 2 filhas, membro ativo da IPB Maranatha em Goiânia e filho de pastor da IPB. Inicialmente parabenizo a iniciativa da Secretaria Executiva do Supremo Concílio de disponibilizar este canal de discussão democrática e que ele seja usado de forma abençoadora. Que Deus ilumine nossos líderes para a melhor solução, analisando a realidade da liderança feminina na IPB e de de sua ordenação a luz das sagradas escrituras. “Sola escriptura!”

     
    • Emerson Silva.

      20 dezembro, 2011 at 4:19 pm

      Caró irmão, tudo bem contigo?
      Veja: A solução já está tomada pela IPB e é aquela de acordo com a Escritura quando esta ensina sobre o assunto sobretudo nas cartas pastorais (Tito, 1ª e 2ª Timóteo). E quanto ao fato de que à luz da Escritura não veja “nada que proiba ou condene a instituição de pastoras, prebíteras e diaconísas” isso se dá pela predisposição quando trata do assunto e pelo fato de que os textos sagrados se ocupam quase sempre de dizer a respeito daquilo que é e não o que não é.
      Qualquer dúvida, busque ouvir um ministro da IPB mais próximo de você, o qual tenha boa formação teológica e seja concorde com a teologia reformada.
      Nos santos vínculos da Cruz.

       
  4. juscelino dos santos

    22 maio, 2008 at 8:56 pm

    Familia presbiteriana boa noite, e a Paz de Cristo Jesus.
    como seria bom se o Senhor JESUS CRISTO ao escolher aqueles dozes homens, tivesse escolido também uma mulher, porque só assim os homens que são vocacionados para o ministério estariam mais preocupados com as suas funções como ministro de Cristo, não creio que as nossas mulheres presbiteriana tem cobisado alguma pretenção de serem pastoras da igreja, a mulher presbiteriana ela sabe se comportar diante de DEUS e diante da igreja, porque elas conhece a palavra de DEUS, é preciso que nós lideres estejamos sempre cumprindo o nosso dever e tratando as nossas irmãs sempre com carinho e o respeito que elas merecem, fazendo isto elas estarão sempre compreendendo que o Senhor JESUS CRISTO não o chamou para serem pastoras mas para serem amadas e compreendidas como servas do Senhor. que DEUS esteja abençoando a familia presbiteriana do Brasil, que todos os ventos de doutrina que estão querendo tirar a paz e o crescimento desta igreja sejam jogados por terra em o nome JESUS CRISTO, e que os nossos concilios sejam firmes e inabalaves na obra do Senhor.

     
    • Antonio

      17 maio, 2011 at 6:20 pm

      NAO HA NENHUM VENTO DE DOUTRINA, APENAS SEGUINDO OS PASSOAS DE JESUS, E DA IGREJA PRIMITIVA, ONDE AS MULHERES SEMPRE ATUAVAM NA OBRA DIRETAMENTE.

       
  5. RENATO CHAVES SILVA

    23 maio, 2008 at 7:25 pm

    CREIO PIAMENTE QUE DEUS RECEBE ESTE GESTO COMO LOUVOR, DESDE QUE O MESMO SEJA FEITO COM “ORDEM E DECÊNCIA”. SE FIZER COM AMOR, COM CERTEZA AGRADA A DEUS. NÓS TEMOS QUE DEIXAR DE LADO TANTA “…BUROCRACIA…”, POR QUE O EVANGELHO TEM PODER POR SI SÓ, PARA TRANSFORMAR VIDAS, E SE A IGREJA FICA DITANDO TANTAS REGRAS, TIRA DO ESPIRITO SANTO A FUNÇÃO DE TRANSFORMAR VIDAS.
    FIQUEM COM DEUS. GRAÇA E PAZ.

     
  6. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    24 maio, 2008 at 9:41 pm

    Boa Noite, irmãos amados.
    O irmão Juscelino disse algo muito interessante em sua palavra, mas extraí parte de uma exclamação: “Como seria bom se JESUS CRISTO, ao escolher aqueles doze homens, tivesse escolhido também uma mulher…”!
    Eu creio, pela Bíblia, que Ele o fez através do convencimento interno, quando, pelo Espírito Santo as regenerou.
    Lucas 8:1 E ACONTECEU, depois disto, que andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e os doze iam com ele, 2 E algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios;
    3 E Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, e Suzana, e muitas outras que o serviam com seus bens.
    Elas não tinha títulos, mas seguiam Jesus. Elas não foram diaconizas de nome, mas de prática, como qualquer mulher crente é na atualidade.
    Aquelas mulheres serviam a Jesus e os discípulos, inclusive com os seus próprios bens. Jesus nunca deixou transparecer, em nenhum momento, que teriam títulos para servir. Os Apóstolos, por sua vez também não fizeram nenhuma alusão à ordenação feminina (imposição de mãos – ordenação)
    Dou graças a Deus porque o meu irmão Juscelino concorda que na igreja do Senhor não podemos ordenar oficiais do sexo feminino, por isso, sinto-me com desejo de citar alguns textos sobre a diaconia bíblica frente ao que chamam NECESSIDADE DE DIACONISAS, ou apenas por seguir a ONDA, MODISMO de outras igrejas. Vejamos o que temos na Bíblia sobre Diaconia e vamos tentar encontrar algumas referências que nos convençam do contrário. Bíblia na mão:

    Em Atos 6, quando se instituiu a diaconia a Bíblia fala assim:

    Atos 6.3: Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio. 4 Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra.
    5 E este parecer contentou a toda a multidão, e elegeram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, e Filipe, e Prócoro, e Nicanor, e Timão, e Parmenas e Nicolau, prosélito de Antioquia; 6 E os apresentaram ante os apóstolos, e estes, orando, lhes impuseram as mãos.
    É interessante que na ordenação desses oficiais só encontramos referência a homens e, mesmo nas cartas apostólicas posteriores ninguém faz algum acréscimo, mudando o conteúde da instituição da diaconia, colocando mulheres ORDENADAS para a diaconia. Se a Bíblia silencia na questão da ordenação, o que fazer com a igreja hoje? Seguir modismos? tender às necessidades da Igreja, mesmo que tenhamos que contrariar os preceitos bíblicos? E o ofício sagrado? E os HOMENS cheios do Espírito Santo?
    Vejam as referência masculinas neste caso:
    Na 1ª Tm 3. 8:… os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância; 9 Guardando o mistério da fé numa consciência pura. 10 E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis. 11 Da mesma sorte as esposas sejam honestas, não maldizentes, sóbrias e fiéis em tudo. 12 Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas. 13 Porque os que servirem bem como diáconos, adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.

    Aqui, por exemplo, encontramos só a referência masculina “honestos, não cobiçosos, provados, maridos de uma só mulher…”. (aqui faz menção das qualidades que uma esposa de diáconos deve ter).

    Filipenses 1.1:1 PAULO e Timóteo, servos de Jesus Cristo, a todos os santos em Cristo Jesus, que estão em Filipos, com os bispos e diáconos: 2 Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai e da do SENHOR Jesus Cristo.

    Aqui, Paulo não saúda nenhuma Diaconisa, juntamente com os bispos e Diáconos.

    Rom. 16: 1 RECOMENDO-VOS, pois, Febe, nossa irmã, A QUAL SERVE na igreja que está em Cencréia (era um dos dois portos marítimos de Corinto, situado no Golfo Sarônico) aa palavra SERVA= “diakonos” é traduzida na ém várias versões sem o nome de diaconiza. A Bíblia de Jerusalém, católica traduz o termo “diákonos” para diaconisa. Não creio ser uma tradução que se deva fazer ao pé da letra, tendo em vista o contexto bíblico que não faz referência, se não me engano, a tal ofício femininino. Era uma SERVA, como todas as demais servas, mas tinha a peculiaridade de servir com destaque em uma comunidade, penso eu. (Se olharmos o restante do capítulo 16 veremos muitos nomes femininos sendo referidos como pessoas que serviram ao Senhor e auxilou Paulo, com toda a dedicação e em nenhum momento vemos o termo Diaconisa para as mesmas. Será que eram menos nobres do que as mulheres atuais? Será que não havia também necessidade de homens naquele tempo ao ponto de poder ORDENAR mulheres à diaconia?). Por outro lado, o texto é obscuro e um dos princípios da hermenêutica é interpretar um texto obscuro por outro esclarecedor. O que não encontramos respaldo. Certamente alguns exegetas colocarão isso com mais autoridade para nós, mas não creio que haverá convencimento.
    Por isso irmãos, SOU CONTRA a ORDENAÇÃO FEMININA, não porque tenho nada CONTRA ELAS, pelo contrário, sou tão ligado à elas que tenho uma excelente auxiliadora do meu lado que concorda em gênero, número e grau com a IPB. E olha é uma mulher que serve tanto na igreja local como presbiterial, sinodal e nacional. E, em nível geral, já fui por quatros vezes Secretário Sinodal de SAFs e sempre indicado por elas. Aí mostro o quanto não sou machista.
    No amor de Jesus e com minhas orações para que a Igreja Presbiteriana do Brasil continue firme e não se entregue a esta outra proposta de distanciar-se da Bíblia.

    Rev. Dilécio

     
  7. André Luiz de Paula Teles

    25 maio, 2008 at 2:05 pm

    Caro irmão Wesley Porfírio Nobre,

    Gostaraia não de responder, pois você não fez pergunta, mas discordar da sua opinião.
    Você disse que: ” A luz da palavra de Deus não vejo nada que proiba ou condene a instituição de pastoras, presbíteras e diaconísas na IPB.” Caro irmão não sei se você está enxergando bem, ou fazendo leitura correta, ou se você não quer ver(não quero ser desrespeitoso, se pareceu já peço desculpas); A Escritura em nenhum momento abri alguma exceção para o ministério oficial feminino, seja pastoral, presbiteral ou diaconal. Não penso que seja por incapacidade feminina, ou por falta de “mão de obra” masculina, mas porque a ordem desde o princípio foi que: o cabeça da família fosse o homem, e conseqüentemente na igreja; em resumo no A.T no período patriarcal sempre na família o homem era o líder, oficial, por assim dizer o Pastor da(s) sua(s) família(s), me entendam o plural pensando na quantidade de membros dessa família, quando o Senhor chamou alguns no processo das Alianças Divinas ele comissionou os homens como Adão, não Eva, Noé, Abraão, Moisés, Davi culminando no Supremo Pastor da Nova Aliança o Senhor Jesus; Nos ministérios do Templo eram Sacerdotes, não Sacerdotizas, no instituição do reino de Israel sempre foram Reis, quando houve uma exceção foi sempre condenado por Deus como se vê, e no ministério Profético sempre foram homens como Isaías, Jeremias, Elias, Eliseu, por fim João Batista, substituído pelo Supremo Profeta, o Senhor Jesus; e quando ele chamou para o ministério ele chamou homens, para Apóstolos, Evangelistas, Mestres, Presbíteros, Diáconos; Essa sempre foi a ordem tão clara na Escritura, e bem minunciosamente Prescrito na Cartas Pastorais, assim chamadas, do Apóstolo Paulo 1e 2 Timóteo e Tito; Quanto às mulheres elas tem o seu lugar na igreja e, não é somente no banco não; Temos nossas sociedades internas como a SAF, nas escolas dominicais, como professoras, mas no que compete ao oficil ministerial a Escritura não abri mão dos homens para tal serviço. Isso digo em termos positivos, ou seja, daquilo que a Escritura ordena ativamente, quando em Timóteo, por exemplo, o Apóstolo Paulo dá a descrição para o futuro oficial, no Capítulo 2 dessa primeira epístola ele diz no verso 2 o seguinte: “Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; Tudo em termos masculinos e, penso que não seja que na nossa língua falamos sempre nesse termos não, mas é porque tem de ser homens mesmos; e quanto ao lado negativo, ou seja, quando proíbe a manifestação gostaria tabém de citar apenas um texto de 1 Timóteo capítulo 2 versos 8-13 diz:Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.
    9 Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos,
    10 Mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras.
    11 A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição.
    12 Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio.
    13 Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. (isso no contexto eclesiástico, leia o contexto imediato e remoto), essa é a ordem, penso que o irmão deveria rever seu conceito, não apenas por isso que falei, mas pelo que a Escritua diz. Quanto ao mais que o irmão disse:”…Que Deus ilumine nossos líderes para a melhor solução, analisando a realidade da liderança feminina na IPB e de sua ordenação a luz das Sagradas Escrituras….”, penso que a IPB já está bem definida nestes termos e que de Fato Somente as Escrituras( como escreveu “Sola Escriptura”) tenha a palavra final sobre este assunto controverso.

    Graça e Paz.

     
    • Wesley Porfírio

      4 novembro, 2011 at 9:57 am

      Irmão André Luiz,

      Fui buscar nas Sagradas Escrituras para te responder e realmente não encontrei nenhuma justificativa para a ordenação feminina. Porém, creio que a uma brecha histórica quanto no diaconato, devido a atuação de Dorcas. Portanto, creio ser totalmente possível a ordenação delas no trabalho da diaconia.

       
  8. Seminarista Josielson

    26 maio, 2008 at 3:06 pm

    Rev. Dilécio:

    Não estou, em momento algum do meu comentário, defendendo a ordenação feminina.
    Concordo, plenamente, e defendo o que a IPB adota em sua CI/IPB, quanto a Oficiais Masculinos.
    Infelizmente, nas Igrejas que tenho visitado, percebe-se uma crise de liderança masculina, o que me deixa profundamente triste.
    Tenho lutado, junto à Igreja que congrego, em novamente formar a sociedade dos homens, desfeita antes de eu chegar, vindo do Interior do Estado.
    Concordo que as ocupações diárias têm atrapalhado o nosso desempenho, porém, antes de ser seminarista, eu também realizo diversas tarefas, pois, mesmo durante o ministério pastoral, procurarei ser um “fazedor de tendas” e, mesmo assim, meu coração continuará ardendo por fazer a Obra, que não é minha, apenas foi confiada.
    A questão vai muito mais além de ocupação e tempo.
    Advém, principalmente, do senso de responsabilidade e do real temor do Deus a quem estamos servindo.

     
  9. Rev. Normando

    26 maio, 2008 at 5:36 pm

    Prezado irmão Weslei Porfírio e demais:
    Se os nossos pressupostos forem sociológicos e ou pragmáticos, não resta dúvida. Optaremos pela ordenação feminina. Na minha experiência pastoral tenho observado muitas mulheres comprometidas e competentes nas igrejas. São santas, piedosas e em algumas congregações são maioria. Conheço algumas congregações que não são organizadas porque não há homens aptos para o oficialato, mas contam com uma SAF privilegiada, compostas de irmãs idôneas.
    Os nossos pressupostos, entretanto são outros. Entendemos que para adotar esta ou qualquer outra prática, precisamos de um sólida justificativa bíblica. Não vemos exemplos ou ordens bíblicas quanto à ordenação feminina. Ao contrário,lemos na Palavra de Deus que a mulher foi criada para ser “auxiliadora idônea”, não líder. A Bíblia afirma expressamente: “Não permito que a mulher exerça autoridade de homem” e, quando “profetizam” ou oram na Igreja, devem fazê-lo com a “cabeça coberta”, isto é, sob autoridade. É óbvio que tema tão complexo não poderia se esgotar numa breve mensagem como esta, mas, insisto em apontar o fundamento do argumento da IPB para não adotar a ordenação feminina: Há base bíblica para a ordenação feminina? Essa é a pergunta chave.
    Eu admiro minhas irmãs em Cristo e sei que muitas delas são capazes, conhecem as Escrituras e são piedosas. Deus, entretanto, deu-lhes outra missão na Sua Igreja: Verdadeiras auxiliadoras. Esse papel a nossa SAF tem cumprido tão bem. Dou graças a Deus por nossas SAF´s e o ministério relevante que as nossas irmãs têm realizado no âmbito da IPB.
    Abraços,
    Normando

     
    • Wesley Porfírio

      4 novembro, 2011 at 10:02 am

      Rev. Normando,

      Se a mulher não pode ser ordenada e nem pode ensinar na igreja por condenação bíblica, então tem alguma coisa errada com a IPB, pois aceitamos que elas ensinem em nossas Escolas Bíblicas Dominicais. Ou pode ensinar na EBD e no púlpito ou devem ficar até em silêncio, como ensinou o Apóstolo Paulo.

       
  10. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    30 maio, 2008 at 2:22 pm

    Seminarista Josielson,
    Peço desculpas se me expressei indevidamente quando me dirigi ao irmão, mas como ficou algo no ar a respeito de NECESSIDADES não satisfeitas na igreja por falta de homens, me levaram a escrever o que escrevi.
    Aproveito, no entanto, para manifestar sua posição favorável à IPB da não ordenação de mulheres à diaconia da Igreja. Parabéns! Precisamos de gente nos seminários que se subscrevam aos princípios da Igreja e que não mais criemos filhos (novos pastores) congtrários à nossa doutrina. Deus te abençõe e que alcance o ministério pastoral, segundo a vontade do Soberano e seja um pastor Presbiteriano (com “P”).

    Seu Irmão
    Dilécio

     
  11. Renaldo Victor de Castro

    31 maio, 2008 at 10:13 pm

    Boa Noite!

    Que a Paz de Cristo reine em suas vidas.

    Achamos, queremos, brigamos, quantas coisas que o mundo enraizou em nossas vidas e esquecemos de fundamentar nossos pensamentos na Palavra de Deus e em muita oração.
    Título:…investidura, qualificação, etc (dicionário Luft)

    Alguns buscam uma possição (título) dentro da Igreja só para mostrar que podem ou tem uma maioria que comungam com suas idéias, mas o que trazem de espiritual para o corpo de Cristo?

    As irmãs da SAF fazem um trabalho maravilhoso dentro e fora da Igreja, na verdade é um esteio para qualquer Pastor, para os Presbíteros e também para os Diáconos. E por esta disposição e dedicação não as vejo e nem escuto pelos cantos reivindicando título de Pastora, Presbíteras ou Diáconisas.

    Meus irmãos, eu em particular não consigo ver uma mulher como Pastora, Presbítera ou Diaconisa, porém temos que Orar, Orar…. e deixar o Espírito Santo mostrar qual é a verdadeira vontade de Deus.

    Assim teremos paz dentro e fora da Igreja e a Palavra de Deus poderá fluir com transparencia para os escolidos.

    Com amor em Cristo,

    Renaldo

     
    • Emerson Silva.

      20 dezembro, 2011 at 4:27 pm

      Caro irmão, o Espírito Santo já mostrou na Escritura Sagrada.

       
  12. Sem. Josielson

    1 junho, 2008 at 11:18 pm

    Rev. Dilécio:

    Faço parte de uma safra de pessoas preocupadas, não somente com o futuro, mas principalmente com o presente da IPB.
    Precisamos, urgentemente, RESGATAR O CORAÇÃO PASTORAL DOS ATUAIS PRESBÍTEROS e, ao mesmo tempo, incentivar o surgimento de novos líderes, identificados e intimamente ligados ao pensamento e postura da IPB.

    Soli Deo Gloriae

     
  13. jeane eliza correia povoa

    1 junho, 2008 at 11:23 pm

    Que Cristo seja o arbitro de vossos coraçãoe, pois Cristo é aquele que sonda mentes e corações. não percamos tempo com discurções que não vai nos levar a lugar nenhum.Porque se Deus quizer fazer uma mula falar ele faz. Louvo a Deus pelo trabalho que as mulheres presbiterianas realizam, o importante e que a palavra de Deus seja pregada com ousadia coragem e intrepidez, pois quem realiza o querer e o realizar e Deus. Deus Soberano, Maravilhoso criador e sustentador das nossas vidas, a Ele toda Glória e todo Honra pelos séculos dos séculos amém.

     
  14. Rev. Normando

    2 junho, 2008 at 12:19 pm

    Irmão Ronaldo Vítor:
    Concordo com o irmão. Precisamos serenidade na busca de respostas para as questões que são levantadas nos diversos momentos da história da Igreja. Essa busca serena envolve oração e estudo das Escrituras para que tenhamos acesso ao que o Espírito Santo já nos revelou pela Palavra.
    Abraços
    Normando

     
  15. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    2 junho, 2008 at 11:58 pm

    Caro irmão Ronaldo,
    Concordo com você sobre as palavras em destaque, contudo, vemos que cada uma delas “achamos”, “queremos”… tem sido usada pelos que desejam uma religião não fundamentada na Bílblia.
    Se alguém, que busca nos títulos, motivação para viver na igreja, também não está de acordo com a Bíblia, portanto devemos desconsiderá-lo. O que não podemos, como vemos em alguns, é atitude de desrespeito para com as autoridades constituídas por Deus.
    Saul era rei de fato, mas não o era de verdade, pois Deus não se agradara dele, contudo, Davi, o contrário dele (poderíamos considerá-lo rei de verdade, mas não de fato pois o mesmo AINDA não havia assumido o trono), respeitou Saul até a morte deste, a qual lamentou. Precisamos reconhecer que é Deus quem põe e é o mesmo Deus que tira.

    Por isso, como você sugere, devemos orar… orar… orar e esperar que Deus compra a sua vontade, e esta, só poderemos encontrar na Bíblia. É por isso que nossa Igreja só tem oficiais masculinos, pois assim o entendemos pela Bíblia.
    Quando tivermos necessidade de Diáconos devemos então orar… orar… depois votar e vamos ter uma JUNTA DIACONAL MASCULINA, com toda a certeza e a paz vai continuar a reinar na Igreja.
    Sempre foi assim na IPB e assim será, até que um teólogo moderno nos apresente argumentos sólidos dentro da Bíblia que nos convença do contrário.

    Que Deus nos ajude para termos mais e mais PRESBITERIANOS em nossas igrejas para DIMINUIRMOS essa torrente de HERESIAS que estão tentando nos carregar de água a baixo.
    Deus nos proteja.
    Dilécio

     
  16. Rev. Francisco Lúcio Pereira

    4 junho, 2008 at 1:06 am

    Olá irmãos.
    Graça e Paz.
    Na minha opinião essa matéria é muito importante.
    Em um primeiro momento do meu Ministério eu era um verdadeiro defensor do Oficialato Feminino, Todavia, depois de me debruçar em algumas literaturas, as quais entendo como sérias, eu tive que mudar de opinião.
    Não tenho interesse de discutir aqui sobre esse assunto. Sem depreciar as colocações as quais li, gostaria de sugerir a leitura de alguns livros, que, se estudados com profundidade, entendo eu,irão ajudar e muito, nessa questão.
    São eles:
    1 – Homem e Mulher – Compilado por John Piper e Wayne Grudem – Editora Fiel.
    2 – Homens, Mulheres e Autoridade Servindo Juntoa na Igreja – Série Encarando a
    Questão – Editor: Brian Edwardes. Editor da Série: Andrew Anderson – Ed. PES
    3 – Homem e Mulher – George W. Knight – Faciol Gráfica e Editora LTDA.
    4 – Ordenação de Mulheres. Que diz o Novo TGestamento> – Augustus N. Lopes –
    Ed. PES.
    Há também alguns artigos avulsos muito elucidativos, tal como o do Dr. Nicodemus, além de outros.
    Outrossim, seria interessante ouvir uma Palestra feita por John Piper sobre esse assunto. Ed.Fiel
    Em Cristo.
    Rev. Francisco Lúcio.

     
  17. Rev. Francisco Lúcio Pereira

    4 junho, 2008 at 1:10 am

    Na verdade eu não disse: Seu comentário está esperando moderação.
    Obrigado.
    Rev. Francisco Lúcio.

     
  18. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    4 junho, 2008 at 10:22 am

    Rev. Normando,
    Necessito de uma orientação do prezado irmão, contudo, desejo que seja através do meu e-mail, se for possível.
    Se o Senhor disponibilizar seu e-mail, entre em contato com revdil@ig.com.br

    Agradeço, desde já qualquer que for sua iniciativa. pois saberei entender algumas restrições em fornecer endereço eletrônico.
    Rev. Dilécio

     
  19. Rev. Normando

    5 junho, 2008 at 7:34 am

    Rev. Francisco Lúcio:
    Dou graças a Deus pela nobreza da sua atitude. Todos nós devemos ter a humildade de submeter nossos posicionamentos ao crivo das Sagradas Letras e, convencidos pelo argumento bíblico, mudar de posição.
    Que Deus continue operando em nossos vidas com a Verdade, aplicada pelo Espírito da Verdade!
    Abraços
    Normando

     
  20. Rev. Elias Brito

    13 junho, 2008 at 12:51 pm

    Caros irmãos, na paz de Cristo Jesus. Não sou tão radical nos meuis conceitos sobre a Palavra do senhor Jesus e creio que teria um relacionamento normal com uma futura pastora presbiteriana na IPB. Creio no entanto que o foco deve estar na própria Palavra divina, na tradição do VT e do NT, principalmente, quanto à ordenação de sacerdotes (VT) e pastores (NT). Creio que a ausência de uma sacerdotisa no templo não tenha sido baseada apenas no fato de que Deus queria que o seu povo fosse diferente nesse aspecto, mas pelo fato da autoridade e da primogenitura. Deus tem responsabilizado o homem, dentro e fora da família por tudo que diz respeito ao seu relacionamento com ele. Ele vai primeiro ao homem. Quando o homem falhou, Deus buscou na figura e na pessoa da mulher (também sua imagem e semelhança) aquela que ele usaria para dirigir e orientar em tudo, o povo. Caso da juizas de Israel. No NT encontramos nos apóstolos, vitrine humana da igreja atual, em suas atitudes para com a coisa cultual, a mesma prática do VT – o homem á frente da igreja. nem por isso a mulher ficou de fora. Não creio que, numa necessidade atual a mulher fosse barrada por Deus nos serviços litúrgicos e de culto na sua igreja, porém, ainda creio no princípio da autoridade e da primogenitura dada por Deus ao homem, sem que com isso haja uma tendência unilateral para o machismo na igreja de Cristo.

     
  21. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    13 junho, 2008 at 10:49 pm

    Prezado irmão Rev. Elias Brito e damais.
    Com meus sinceros respeitos pelos argumentos apresentados, mas prefiro, por questão de convencimento bíblico mais coerente, permanecer do jeito que estamos.
    Penso, queridos irmãos, que não podemos deixar o óbvio, o que é coerente, e trocar por uma interpretação menos aprovada pela hermenêutica sagrada, só porque é mais prática (pragmática).
    Aceito a posição atual da Igreja Presbiteriana do Brasil como acima dissemos: mais coerente e mais bíblica do que essa que é exigida pelas NECESSIDADES de colocar a mulher no lugar do homem no oficialato da Igreja. Nem por isso me considero machista e nem vejo a postura da IPB como tal, pois entendo que a IPB honra a mulher dentro dos propósitos para os quais foi criada: auxiliadora idônea.
    Como pastor, vejo a presença dessas auxiliadoras por todo lado na minha igreja. Elas auxiliam, com todo amor, desde a UCP ao Conselho da Igreja. Sinto-me amado, respeitado e amparado, muitas vezes, pelo trabalho feminino da minha igreja que possui uma SAF de aproximadamente 60 mulheres, não contando com algumas das congregações e outras da Sede que ainda não descobriram o caminho tão luminoso da Sociedade Auxiliadora Feminina mas estão servindo. Nenhuma delas, por mais útil e SERVA que seja, nunca reivindicou sequer um ofício na igreja.
    Creio, meus irmãos, que precisamos voltar a ser radicais mesmo, pois ser radical é não ser relativista e isso é muito bom. “RADICAL: Pertencente ou relativo à raiz. Que parte ou provém da raiz. Relativo à Base, ao fundamento, à origem de qualquer coisa; fundamental”(Novo Dicionário Brasileiro Melhoramentos). Assim vemos a IPB, buscando nas raízes da Bíblia, nos seus fundamentos. Com certa analogia, poderíamos dizer que ela não deseja doutrinas ou práticas que não provém do fundamento, do galho ou ramos, mas da raíz. Por isso, quando me chamam radical, porque procuro defender valores absolutos da igreja, me sinto extremamente elogiado. O que não podemos suportar é radicalismo, ou seja, pulso firme sem fundamento. Não é nosso caso, não é?
    Um fraterno abraço,
    Dilécio

     
  22. Testttyq

    17 junho, 2008 at 8:47 pm

    Hi

    Bye

     
  23. Pr. José Geraldo

    19 junho, 2008 at 9:26 am

    Li quase todos argumentos e ponderei. Realmente vivemos um tempo de muito modismo anti-bíblicos e hereges, sei e reconheço que tal tema é necessário para nossa Igreja. Mas, gostaria também, que discutissimos a nível nacional com toda veemência e autoridade, sobre evangelismo e Missões. Cremos que o evangelho que pregamos é sério comprometido com a Palavra e com o Reino. Que Deus tenha misericórdia de nós e da nossa Igreja. Que Deus nos ajude a levar este Evangelho a todo eleito que Deus de antemão escolheu ante da fundação do mundo. At. 2.47, nos diz: “E o Senhor acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos.” Que isto seja uma realidade em nossa Igrejas.

    No Amor de Cristo.

    Pr. José Geraldo

     
  24. revoltado

    20 junho, 2008 at 3:48 pm

    Infelizmente antes de falrmos sobre diaconisa devemos rever sobre os pastores que estão sendo formados nos ultimos anos nos seminários presbiterianos. Aqui em Mirassol – SP, 02 presbíteros já pediram exoneração por não concordarem com doutrinas com bençãos de toronto, pessoas se jogando ao chão, clamor com gritos e visões e muitas visões, parece mais uma igreja pentecostal extremista, porém o pastor Joaquim continua afirmando que tem mesmo de ter batalha espiritual em nossas igrejas e por aí afora. E ai pergunto aonde está a Comissão de Ética do Presbitério? Ou seja antes de discutirmos sobre DIACONISAS vamos fazer nossos pastores a voltar realmente a fé reformada, pois povo não ensinado corretamente começa a procurar verdades pessoais ou achismos sobre o que é certo ou errado. As mulheres são as sustentadoras da igreja em oração, por isso existe a SAF, para que as mulheres presbiterianas aprendam a ter amor pelos nossos simbolos de fé, porém se não são ensinadas acabam procurando outros ministérios que nós homens deveríamos ocupar. Mas se os pastores não sabem ensinar corretamente como vão incentivar a SAF nas igrejas? Estou revoltado, pois os dois presbíteros que não concordavam com as falsas doutrinas que REVERENDO JOAQUIM E SUA ESPOSA MAGDA INTRODUZIRAM NA IGREJA SAIRAM E A IGREJA NÃO SABE O QUE DIZER, SE OS PRESBÍTEROS ESTAVAM CERTOS OU NÃO, POIS SÃO ENSINADOS SOBRE BATALHA ESPIRITUAL, DOM DE LÍNGUAS, ETC, MAS DOUTRIANA MESMO NÃO, ai o povo vai pelo que o Pastor ensina mesmo sendo errado. Desculpem o desabafo, por isso saem essas discussões.

     
  25. Seminarista Alexandre de Jesus dos Prazeres

    21 junho, 2008 at 12:06 pm

    Caros irmãos, nenhuma decisão que envolva culto, doutrina, governo de igreja e etc. deve ser tomada sem amparo das Escrituras Sagradas. Digo isto por perceber que grande parte da argumentação favorável a ORDENAÇÃO FEMININA surge de pressupostos sociológicos, ou seja, toma-se como exemplo a atuação da mulher em diversos setores da sociedade. Porém é fato que inversão de papéis incentivada pela mentalidade da nossa época, deve-se a pressões do MOVIMENTO FEMINISTA que atua com toda força desde a década de 20, estimulando uma competição intensa entre homens e mulheres. Portanto, se tomarmos o FATO SOCIAL como base suficiente para realizarmos mudanças em questões teológicas ou eclesiásticas, abriremos um precedente perigoso. Pois se fizermos isso, em breve não estaremos discutindo ORDENAÇÃO FEMININA, mas ORDENAÇÃO DE HOMOSSEXUAIS, porque este é o próximo assunto da pauta. E que responderemos aos favoráveis a ordenação destes, quando perguntarem: se mulheres foram ordenadas apenas com base em pressões de setores da sociedade, por que não ordenar homossexuais, se a aceitação destes já é fato social?
    Pensemos nisso.

    Um abraço,

    Alexandre de Jesus dos Prazeres.

     
  26. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    22 junho, 2008 at 2:36 pm

    Caro irmão que se identifica como “revoltado”. Creio que a palavra revoltado não ficou bem para o irmão diante da legítima matéria que apresenta. Quando você disse sobre o que está acontecendo na sua região, meu coração se enche de um sentimento estranho, como este que passa pelo seu agora. Eu compreendo sua tristeza e desapontamento. Temos um programa de rádio em nossa região, dirigido por um pastor que se diz presbiteriano, que abre o programa saudando aos ouvintes e dizendo em seguida: “Bom Dia Espírito Santo!”. Foi questionado por outro colega, ficou nervoso, irritado e… continuou com a saudação herege importada.
    A IPB precisa tomar conhecimento dessas coisas através dos meios legais. Faça isso! Não fique guardando no coração tanta angústia enquanto o culpado pela derrocada da denominação está solto. Siga os trâmites:
    a) Envie um documento ao Conselho denunciando essa heresia e peça que se tome medidas para a correção do erro;
    b) Se o Conselho não der a devida atenção, denuncie ao Presbitério;
    c) Se o Presbitério não atender, vai ao Sínodo, ao Supremo Concílio.
    Eu duvido muito que os concílios superiores vão concordar com essa “Bênçao de Toronto”.
    Transforme seu sentimento de revolta na coisa correta: Denuncie esse pastor que, segundo você informou, não tem nada de presbiteriano. Certamente ele terá uma vaga garantida numa dessas igrejas pentecostais que estão querendo atear fogo na membrezia. Lá ele fará tudo o que não pode fazer aqui, pois a causa aqui é bíblica.
    Qualquer coisa que necessitar, entre em contato pelo e-mail revdil@ig.com.br Estarei pronto para dialogarmos melhor.
    Deus abeçoe você. Continue zeloso, mas buscando a forma correta de salvar sua igreja desse ataque herético.
    Dilécio

     
  27. Sem. Josielson

    23 junho, 2008 at 10:05 am

    Concordo com o Sem. Alexandre.
    Muitas das opiniões apresentadas, as quais defendem a ordenação feminina refletem, simplesmente, a visão sociológica de quem a fez.
    Não podemos nos deixar levar pelas idéias comuns. A nossa base é a Escritura Sagrada. Fora disso (da Escritura) que seja anátema e não encontre lugar em nossa Igreja.

     
  28. Danilo Gonçalves de Oliveira

    23 junho, 2008 at 1:29 pm

    Concordo em parte. Na Bíblia fala-se em Diaconisa. E até aí eu concordo. Mas daí a se chegar em Presbíteras e Pastoras é um salto muito grande. Onde se fala em pastora na Bíblia é onde os servos foram buscar uma mulher para Isaque, que a acharam pastoreando animais. A Bíblia fala que a mulher é uma auxiliadora idônea do homem. Que o homem é que tem que governar bem a sua casa. Já pensou você HOMEM, que governa a sua casa, e quando chega na Igreja é a MULHER QUEM GOVERNA? Controvérsia não?

     
  29. Rev. Normando

    23 junho, 2008 at 4:07 pm

    Seminaristas Josielson e Alexandre:
    Os senhores têm razão.
    Esse é o princípio que nos distingue como reformados: ter o ensino bíblico como o fundamento para as nossas posições teológicas e práticas eclesiásticas.
    Quando o fundamento é a tradição, o gosto pessoal, a vontade popular ou o contexto social, a igreja fica apoiada na areia.
    Deixa de ser de Jesus e entrega-se aos prazeres.
    Abraços
    Normando

     
  30. Cypriano José da silva- Presbitero em disponibilidade.

    23 junho, 2008 at 10:39 pm

    A Paz de Nosso Senhor Jesus estejam com todos. Quero sugerir a todos os irmãos que são a favor da ORDENAÇÃO FEMININA, que estudem com mais profundidade a Bíblia Sagrada , a respeito do assusnto. Bem que o Jesus poderia ter convidado mulheres para completar o quadro dos doze apóstolos. Por que não as convidou? AS MULHERES JÁ TEM SEU TRABALHO ABENÇOADO NAS IGREJAS. E QUE TRABALHO! Eu tiro o CHAPÉU PARA AS SENHORAS! Por não estudar as Sagradas Escrituras com profundidade, é que tem um monte de ” pastores” dizendo asneiras nos púlpitos. É lamentável. Cypriano.

     
    • Karlos

      21 fevereiro, 2011 at 12:59 pm

      Coitada de sua esposa!!!1

       
  31. Sem. Alexandre de Jesus

    25 junho, 2008 at 1:12 am

    Caro irmão Danilo, expus que as decisões a serem tomadas pela Igreja de Cristo, através dos seus Concílios, devem ser amparadas pela Escritura, NOSSA ÚNICA REGRA DE FÉ E PRÁTICA. Sim, a Escritura é a ÚNICA REGRA que deve orientar as decisões da Igreja.
    E quanto a existência na Escritura de textos que se referem a diaconisas, conforme exposto pelo irmão (“Na Bíblia fala-se em Diaconisa”), não há como apresentar isso como fato, pois o que existe sobre este assunto é apenas especulação, conjecturas. porque não há qualquer referência explícita na Escritura sobre diaconisas. Isso nos conduz a uma outra questão importante que gira em torna do que estamos discutindo aqui neste blog, ou seja: AS DECISÕES DA IGREJA PRECISAM SER FUNDAMENTADAS NA ESCRITURA, MAS A ESCRITURA NÃO DEVE SER INTERPRETADA LIVREMENTE, POIS A INTERPRETAÇÃO DA MESMA PRECISA SER ORIENTADA POR CRITÉRIOS HERMENÊUTICOS SEGUROS.
    Que Deus te abençoe.

    Alexandre de Jesus.

     
  32. Maria Bernadete de Mello

    25 junho, 2008 at 2:41 am

    Graça e Paz. Ordenação Masculina e Ordenação feminina

    Creio que os amados irmãos estão com muita ansiedade e isto não faz bem a saúde, mental e espiritual… Deus já tem ordenado muitas pastoras, consagradas dentro da
    IPB, a qual foram chamadas, vocacionadas e treinadas dentro desta amada igreja
    calvinista, com fé reformada… Quantas já deram suas vidas em paises onde o evan
    gelho é proibido como a janela 10×40 por exemplo, obedecendo o chamado sem se
    importar de ser vaso sencivel como diz em 1 Pedro 3.7, quantas igrejas que ja foram
    plantadas e edificadas em paises distantes, em sertões sem recursos quantas leis
    a prova de pexeira e bala ja foram abolidas por amadas irmãs que entregaram os seus
    sonhos de mulher ao Senhor na esperança de que Ele possa ainda abençoa-las com algum varão tão consagrado e tão vocacionado quanto elas. Quantas amadas irmãs
    estão vinte quatro horas a disposiçao da congregação dependendo unicamente do Senhor mesmo tendo 01 ou até 2 faculdades, mas optando pela necessidade e o clamor das almas perdidas, recebendo o gasofilácio como um presente de Deus e
    dando seu ministerio de tempo integral. É interessante que essas mulheres estão ser
    vindo, lutando e pregando sem nenhuma preocupação ou revindicação, talves seje o
    O SENHOR DA SEARA que já esteje pensando sobre alguns fatos polemicos, haja visto que na maioria das vezez elas obedeceram sem endurecerem seus corações e não tenham quem as defedam ou quem as amparam com afeto e companheirismo.
    O importante amados e´ entendermos o chamado de Deus, e sabermos que o vocacionado e ordenado por Deus ,sobressairá sempre sendo ele homem ou mulher, fará difernça e brilhará sempre… Sejamos todos puros e consagrados ao ministério vivendo á luz da palavra… O EU SOU, JAVÉ faz o que Ele quizer no tempo e no espaço! deu seu próprio filho por nós Jo 3.16, quanto mais suas filhas por amor de
    muitos que estão morrendo sem salvação.

    Carinhosamente e com um voto de louvor por todos os Pastores consagrados .

    Maria Bernadete de Mello

     
  33. Rev. Normando

    25 junho, 2008 at 8:43 am

    Irmão Danilo Gonçalves:
    A questão da “diaconia” também é complexa. O termo aparece na Bíblia, referindo-se ao serviço de todos os crentes. Homens e mulheres. Todos nós somos servos e devemos imitar também neste aspecto, o nosso Mestre, o modelo perfeito (Mc 10.45).A imã Febe, por exemplo, servia a Igreja em Cencréia (Rm 16.1). Há, porém, diferença entre esse serviço que é dever de todos os crentes e o ofício do diaconato. Para este é que não há fundamentação bíblica.
    A nossa IPB, graças a Deus, é tão bíblica que reconhece que “mulheres piedosas”, sob a autoridade do conselho, podem exercer a diaconia (CI Art. 83,alínea “x”). A ordenação, porém, fere o princípio da autoridade que, segundo a Escritura, foi outorgada aos homens (1 Tm 2.12). Observe a diferença: As santas mulheres, verdadeiras auxiliadoras, nomeadas pelo conselho podem exercer livremente a diaconia. A ordenação, porém, investindo-as de autoridade, seria contrário ao preceito bíblico. Este tem sido o zêlo da IPB.
    Abraços
    Normando

     
  34. Rev. Normando

    26 junho, 2008 at 4:39 pm

    Correção: Irmãos na inha mensagem anterior, onde se lê: “Para este é que não há fundamentação bíblica”, leia-se: “Para este é que não há fundamentação bíblica para a ordenação feminina”.
    Abraços
    Normando

     
  35. Fabiano Portela

    26 junho, 2008 at 5:16 pm

    Li os comentários postados e me ocorreu o seguinte questionamento, no qual deixo para ser respondido pelos usuários deste meio. Se os oficiais homens da IPB exercem a liderança e por este motivo bíblicamente as mulheres não podem exerce, por que não há proibição para as mulheres exercerem a liderança como presidente da SAF, como missionárias e diversas outras atividades na igreja, onde homens (Presb e/ou Diac) estão sob a liderança dessa mulher. Como agora na realização da EBF (escola bíblica de férias) uma irmã da igreja vai liderar vários oficiais, homens, outras mulheres, jovens e adolescentes com o proposito de levar a Palavra de Cristo as crianças de nossa comunidade. E agora? Liderar homens, como oficial da igreja, a mulher não pode, mas em outras atividades que não envolva o oficialato pode? Gostaria de uma esclarecimento sobre este caso.

    Finalizo com as palvras de Peter Meiderlin, teólogo luterano da cidade de Augsburg, na Alemanha, em 1627- “No essencial, unidade; no não essencial, liberdade; e em ambas as coisas, a caridade”.

    A Graça e Paz do Senhor Jesus.

     
  36. Rev. Normando

    28 junho, 2008 at 6:35 pm

    Irmão Fabiano Portela:
    A liderança do trabalho da SAF, penso que o fato de que a SAF lidera mulheres, as mais velhas ensinando as mais jovens a serem boas donas de casa e a respeitarem os seus maridos, já reponde a sua pergunta. Senhoras podem liderar senhoras.
    A liderança da EBF e outras organizações da Igreja, se elas o fazem com poderes delegados pelo conselho, estão agindo sob autoridade masculina. A superintendência da Escola Dominical, por exemplo. O Rev. Dr. Augustus Nicodemus Lopes, no seu estudo da 1ª Carta de Paulo aos Coríntios, discute esse tema com clareza. observe que as mulheres lá podiam orar e profetizar, mas usando o véu. O que o véu representava naquela cultura? Que elas estavam sob autoridade. Escrevendo a Timóteo, Paulo já afirma que não permite que as mulheres exerçam “autoridade de homem”. Liderar a EBF, ser superintendente da Escola Dominical, ser tesoureira da Igreja ou coordenadora do Departamento Missionário, não é exercer autoridade de homem, pois tais funções são exercidas sob a autoridade do conselho. Ser presbítera ou diaconisa é diferente, pois o ofício em si já é execício de autoridade. Percebe a diferença?
    Quanto ao caso das missionárias, penso que precisamos de uma maior reflexão mesmo quanto aos limites dos seus atos. Está certo que elas também estão sujeitas às agências missionárias, normalmente sob a autoridade de ministros e presbíteros. Esse argumento nos tranqüiliza. Quando pensamos, porém, na prática do campo missionário, ás vezes distante e que a missionária tem que tomar decisões e, de certa forma, execer a liderança, considero o seu questionamento pertinente. É algo que a nossa igreja deve ainda analisar e dar um parecer coerente com as Escrituras, como tem sido a sua prática, legitimando a situação atual ou transformando-a,também à luz das Escrituras. Questionamentos como este, meu irmão, são muito úteis, pois nos levam ou ao fortalecimento das nossas convicções quanto às práticas existentes ou a uma ação de mudança, tendo sempre a Bíblia como referência. Daí a pertinência do lema reformado: “Igreja reformada, sempre reformando”. Estamos continuamente avaliando as nossas práticas, por mais antigas e tradicionais que sejam, se elas estão ou não de acordo com o ensino bíblico. Quando entendemos que não estão de acordo com o texto bíblico, devemos ter a humildade de mudar imediatamente.
    Quanto ao lema com o qual você encerra a sua mensagem, precisamos de muita sabedoria do alto, pela luz das Escrituras para que haja discernimento do que é essencial e do que é secundário ou não-essencial. Já vi esse lema servir, dentro da nossa própria denominação, de suporte para a inclusão de muitas aberrações que, naqueles momentos difíceis, eram consideradas “não-essenciais”. É preciso cuidado, temor,piedade e sabedoria, para que saibamos identificar o que é essencial e lutar por ele até à morte, se for preciso, desejando ser intrumento do Senhor para manter a pureza da Igreja que nos foi confiada.
    Que Deus nos dê sabedoria!
    Abraços,
    Normando

     
  37. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    29 junho, 2008 at 10:09 pm

    Caros irmãos, particularmente Rev. Normando.
    O senhor foi grandemente feliz em dizer que os questionamentos feitos pelo irmão Fabiano Portela são muito “úteis pois levam ou ao fortalecimento de nossas convicções… ou a ação de mudança tendo sempre a Bíblia como referência” . Neste caso, em particular, senti nas suas palavras o quanto nossa denominação é séria mesmo. No lugar do irmão Fabiano eu ficaria satisfeito e honrado por ser presbiteriano mediante tal sábia resposta. Obrigado. Sempre aprendedendo.
    Rev. Dilécio.

     
  38. Rev. Dilécio da Silva Oliveira

    29 junho, 2008 at 10:10 pm

    corrigindo: Sempre aprendendo.

     
  39. dra luciane rangel barbosa

    6 julho, 2008 at 12:13 am

    PORQUE NESTA PAGINA NAO TEMOS NENHUMA MULHER FAZENDO O SEU COMENTARIO, JA QUE SAO AS MAIORES INTERESSADAS.
    AS MULHERES PRESBITERIANAS SAO AS MAIORES CULPADAS PELA ATUAL SITUAÇAO. ELAS ACREDITAM PIAMENTE NAS COLOCAÇOES DOS HOMENS E SE VEM E ACREDITAM SER CRENTES DE SEGUNDA CLASSE. A IGREJA ESTA SOFRENDO POR NAO CONTAR COM A LIDERANÇA FEMININA.
    EM NOSSAS IGREJAS AS MULHERES SAO EM MAIOR NUMERO,INTELECTUALMENTE MAIS GRADUADAS, FIEIS MANTENEDORAS COM SUAS OFERTAS VINDAS DO SEU TRABALHO, TRABALHADORAS INCANSAVEIS NA VIDA DA IGREJA, POSSUIDORAS DOS DONS DO PASTORADO,SERVIÇO,ENSINO QUE EXERCEM COM DEDICAÇAO.
    O PODER, O DINHEIRO (MEDO DA CONCORRENCIA NOS CARGOS REMUNERADOS) SAO A VERDADEIRA RAZAO PARA OS HOMENS PRESBITERIANOS NAO ACEITAREM A LIDERANÇA COMPARTILHADA COM AS MULHERES

     
    • patricio silva

      26 fevereiro, 2010 at 8:32 pm

      Antes de tomarmos qualquer posição, com relação as coisas novas que querem introduzir na igreja tomemos em mente que a IGREJA É DE CRISTO, E QUE AS PORTAS DO INFERNO NÃO PREVALECERÃO CONTRA ELA (ORDEM DE JESUS DADO AO MUNDO ESPIRITUAL E MATERIAL, À SATANÁS, ANJOS HOMENS MULHERES, OU A QUALQUER OUTRA CRIATURA OU CRIAÇÃO)por isso, observemos bem na bíblia os exemplos do que aconteçeu com aqueles que tentaram mudar a ORDEM DE DEUS com palavras bonitas e diabólicas. Como no caso de do povo quando pediam um rei e foram reclamar á Samuel disse Deus esse “Deixa eles terem o rei deles pois não rejeitam a ti mas a Mim” e (leia a biblia toda apartir desse ponto e você vai ver). Vejam tambem a historia do fim trágico de um anjo que achava que Deus estava fora de moda, fora dos padrões, e que sua forma de governar era errada, e ridícula. Ele teve esse pensamento com base em pensamentos malígnos, orgulhosos, invejosos e disse: “Eu subirei até as mais altas nuvens e serei semenhante ao Atíssimo”. Na verdade o que ele estava falando era “Tirem esse Governador daí eu sou melhor do que ele.” Logo. espero que as pessoas que abordaram esse tema que esta sendo discutido não sejam mais modernos que Deus, caso contrário. serão expulsos como foi o acusador

       
  40. Rev. Normando

    7 julho, 2008 at 10:23 am

    Dra. Luciane:
    É lamentável que a sra. não tenha apresentado nenhum argumento bíblico para sustentar a sua posição. É impressionante também a sua conclusão absoluta e generalizada que a sra chega sobre “a verdadeira razão pela qual os homens presbiterianos não aceitam a ordenação feminina”. Como a sra. chegou a essa conclusão? Qual foi o método utilizado? Independentemente do método utilizado, é possível chegar a conclusão tão absoluta e ampla? Cuidado com o juízo temrário!
    Dentro da IPB, inclusive entre as mulheres, a referência para toda discussão é a Palavra de Deus. Penso sinceramente que todas as irmãs que participarem dessa discussão neste e em outros espaços, tendo a Bíblia como referência, poderão dar grande contribuição para o amadurecimento das nossas posições.
    Normando

     
  41. André Luiz

    8 julho, 2008 at 7:04 pm

    Dra. Luciane,

    A senhora foi muito infeliz em praticamente todas as suas colocações, como bem disse o Rev. Normando, talvez, o maior problema tenha sido o fato de ser argumentos sem apoio bíblico. Foi mais sentimental, emotivo e apelativo, menos bíblico!!!
    Sentimental e emotivo porque possa pensar que existe acepção de sexo no conceito, mas não existe necessariamente. Cremos, falo como Presbiteriano, que as razões para a nossa certeza de que Deus não permitiu a ordenação feminina, não é por inabilidade e incapacidade, mas por vontade divina, foi a ordem divina. Deus quis que fosse assim. Existe séries de filosofias, explicações ou argumentos para o porque disso, mas penso que tudo está debaixo da Soberania do Rei da Igreja. Que nos deu sua lei na sua palavra revelada, a bíblia.
    Apelativo porque se algumas irmãs considerarem sem ponderar devidamente nas suas palavras podem se deixar levar por um certo emocionalismo causado, mas penso que dificilmente elas vejam assim, falo apenas de possibilidades.
    Antes de tudo, as qualificações para o ministério estão bem definidas em 1 e 2 timóteo e Tito, não nas minhas habilidades, posição social-político-religiosa ,necessariamente, pois existe necessidade social e religiosa. Examine as escrituras e verá claramente que tudo está devidamente ordenado e definido por Deus. Se perceber assim refaça sua conclusão final, muito pretenciosa e injusta, mude seu desenvolvimento e faça jus à sua posição de Doutora, porque se os doutores e doutoras pensarem e defederem certas posições sem usar a razão, apenas a emoção vamos cair em grande perigo de vida!!! e vida eclesiástica!!!

    Abraços,

    André Luiz.

    andreluiz1987@hotmail.com e andreluiz_ipb@hotmail.com

     
  42. Gilberto Silva

    13 julho, 2008 at 10:48 pm

    A excepcionalidade não exclui a possibilidade de haver aprovação de Deus à liderança feminina. No contexto patriarcal de Israel tivemos a juíza Débora, e.g. Se a irmã Febe estava servindo de forma geral, sem nenhum sentido de ministério ordenado, usaria ele palavra diferente da que usou?
    Se a palavra presbítero tem o significado de ancião, como podemos interpretar como alguém maduro sem relação alguma com a idade? Porque isso nos convém do contrário não poderiamos enviar maiores de 18 anos ao seminário. Mas como ordenar alguém com menos de 30 anos ao presbiterato (regente ou docente)? Afinal, qual a base bíblica que temos para dizer que presbítero é alguém emocionalmente maduro, não necessariamente idoso?
    Quando Paulo afirmou que “quero que os varões orem em todos lugar…” ele estava afirmando que somente os homens podem orar publicamente?
    Pressuponho a liderança masculina na igreja e a exclusividade dessa liderança nos ministérios ordenados. Mas sejamos sinceros, exegese não é tarefa simples nem simplória…

     
  43. Rev. Normando

    15 julho, 2008 at 2:34 pm

    Prezado irmão Gilberto Silva:
    Desculpe, mas o seu texto, o sentido das analogias, naõ ficou claro.Pelo menos para mim. Isso confirma que exegese realmente não é tarefa simples…rs,rs,rs
    Abraços,
    Normando

     
  44. Angel

    23 julho, 2008 at 1:21 pm

    Nâo sou emotiva muito menos feminista, agora tenho certeza que em poucos anos(para mim) e certamente para muitos que escreveram não será (até porque: muitos já vão estar mortos, pela idade) que mulheres serão ordenadas!!!! Não faço parte das mulheres que acham que mulheres são melhores, jamais, até porque todos os meus médicos e professores de confiança são homens, agora cientificamente falando e olha que dessa parte eu entendo muito bem e falo com muita competência pois atualmente a cada 100 crianças que nascem no mundo 58% é mulher e ainda tem no 42 aqueles que morrem, então em breve muito em breve, teremos uma sociedade com um percentual elevado de mulheres e isso caros amigos pensadores certamente será reavaliado!!!!

     
  45. Rev. Normando

    23 julho, 2008 at 5:15 pm

    Angel:
    Não podemos nos esquecer de que a referência para a nossa discussão é o que a Bíblia, infalível e imutável Palavra de Deus, ensina. O nosso exercício é responder à questão: Há base bíblica para a ordenação feminina?
    Repetimos: Acima do contexto histórico e da “funcionalidade”, o nosso compromisso é com a Palavra Deus. A Igreja deve mudar as suas posições sempre que descobrir que elas não estão de acordo com a Bíblia. Essa é a nossa linha de argumentação.
    abraços
    Normando

     
    • Anônimo

      26 fevereiro, 2010 at 9:36 pm

      Pastor Normando, é incrível o que eu li em muitos comentários. Eu achava que na nossa denominação as pessoas observavam os mandamentos com cautela, mas, parece que existem pessoas que se deixaram levar por doutrinas, digamos, malígnas; e por pensamentos oriundos de uma sociedade perdida e que é contra o nosso DEUS, mesmo tendo nas mãos (ou debaixo do braço ou em cima da estante) a revelação imutável do Deus vivo, a bíblia será que a ordem de Deus não vai prevalecer contra os ataques do malígno á Igreja de Cristo. Creio que não pois a Igreja é de cristo e não tem outro dono. Concordo com o sr. pois, essas pessoas não tem base bíblica; se apoiam apenas em argumentos seculáres e anátemas que se originaram em movimentos feministas, que infelismente povoam a mente de muitas mulheres e homens da igreja

       
  46. Pr.pedro leoncio

    24 julho, 2008 at 8:34 am

    amados tudo tem quer ser feito com ordem e decencia a gloria de Deus,o tradicionalismo matou jesus e tem matado muitos homens que se dizem espiritual, o homem espiritual houve a voz do espirito e o espirito jamais julgou uma mulher a fazer a boa obra, podemos ver que algumas mulhreres deram o sustento na obra, financeiramente ajudando a jesus e jesus jamais iria dizer a elas que não poderiam ser pastoras ou não, a maior parte das vidas que estão dentro das igrejas são mulheres, amados existe muitos sacerdotes vestindo roupas sacerdotais como termos e gravatas e não são sacerdote, jesus era simples mais fazia a diferença, temos quer deixar esse tradicionalismo e para as ruas avenidas e becos trazer os alejados os coxos para grande festa.pr pedro leoncio(comunidade evangelica adõção,são luis maranhão

     
  47. Rev. Normando

    24 julho, 2008 at 3:55 pm

    Pr Pedro:
    Duas coisas:
    1- Entendemos que há uma harmonia perfeita entre o Espírito santo e as Escrituras que Ele inspirou. Assim, “ouvir o Espírito”, significa “ouvir as Escrituras”. A Bíblia não fala sem a ação do espírito nem o espírito sem as escrituras, nossa única regra de fé e de prática. Daí a pertinência da pergunta: “Há base bíblica para a ordenação feminina?” ´Busquemos a resposta do espírito santo nas Escrituras.

    2- Concordamos com o valor do trabalho das nossas irmãs. Vemos muitas mulheres piedosas se dedicando ao Senhor tanto na história registrada nas Escrituras como também nas História do povo de Deus depois dos tempos bíblicos e nos dias atuais. Isto, porém, nada tem a ver com o exercício do presbiterato e o diaconato. Permanece, pois, a pergunta: “Há base bíblica para a ordenação feminina?”
    A Igfreja, amada do Senhor Jesus, deve sustentar as suas doutrinas e práticas no ensino bíblico. esse é o nosso pressuposto fundamental.
    A grande diferença entre a fé reformada e o tradiconalismo é exatamente esta: O tradicionalismo segue cegamente os costumes, os hábitos adquiridos ao longo dos anos. A fé reformada julga tanto os costumes antigos como as propostas inovadoras, tudo à luz da Palavra de Deus. A nossa proposta é que não sejamos meramente tradicionais, mas que sejamos Reformados.
    Abraços,
    Normando

     
  48. carloslysias

    25 julho, 2008 at 7:56 pm

    Tém gente caíndo na minha igreja e é presbiteriana.

    Por que, todas que vi e tomei conhecimento, são mulheres?
    Há assuntos mais importantes à tratar.

    Acho que estou dando murro, em ponta de faca.

    carloslysias@terra.com.br

     
  49. Carlos Lysias

    27 julho, 2008 at 1:37 pm

    Aos “discípulos de um “evangélho” ÚTOPICO

    Espero que não haja, os tais neste blog.

    POR QUE?

    …………. . ……….., em 1973 e 1974, eu com 15 anos e meu irmão com 16, fomos , junto com nossos familiares, vítimas dos tais que refiro.
    Meu pai, já falecido, pastoreou uma IPB em uma cidade , no interior de São Paulo, proximo à Campinas, cuja igreja foi cenário de uma das maiores atrocidade, contra a familia de um Mnistro do Evangélho, que sempre foi fiél à Cristo, e aos princípios Reformados.
    Em uma manhã de segunda-feira, três freiras identificadas, com irmãs de maria, bataeu à nossa porta , à pedido da “presidente ” da “SAF” da igreja na qual meu pai pastoreava. Nós,e a nossa “irmã” da sua igreja, estamos querendo fazer uma “união” das igrejas e gostariamos que o sr. concordasse à participar de cultos ecumênicos conosco, católicos. O sr. vai pregar em nossa igreja, e o nosso padre vai rezar missa na sua. Meu pai ficou muito triste, com a atitude da tal “presidente da SAF” e muito preocupado. Pediu desculpas da impossibilidade de tal feito e as freiras foram embora, nervosas.
    Rusumindo, na terça-feiraadre pedii a mesma coisa e na quarta-feira, acreditém quém quozém, foi bispo. Obtiveram do meu pai, ainda mais intristecido a mesma resposta com mais veemência. Atentos… eu e o meu irmão com 15 e 16 anos, é importante infatizar isto.

    Se não bastasse, a tal “presidente da SAF”, era também “diretora” do colégio, no qual,eu e o meu irmão estudavamos. Vejam à que ponto chega o fanatísmo. A dita cuja nos tirou da sala de aula, prá nos dizes que estava difícil, trabalhar com o meu pai , na nossa igreja, ou melhor, dela e de mais alguns “discípulos”

    As consequências de meu pai não ter aceitado, foram disastrosas. Fomos literalmente expulsos daquela “igreja”. Um Ministro do Evangélho, com filhos adolescentes 3 com uma criança, ser tratado desta maneira, por defender uma cauas nobre, que é o verdadeiro evangélho, genuíno resgatado na refoma.

    Imagine irmãos, eu e o meu irmão, tivemos que nos desligar, além da Igreja , dos amigo, como também do nosso primeiro imprego fomal, sem poder dizer o verdadeiro motívo. Como disse, fomos expulsos, na outra cidade na qual meu pai foi trasnferido, não foi possível encotrar uma moradia em tempo hábil e para não perdermos o ano letívo, ficamos espalhados, em várias casas de irmãos, da nossa nova igreja.
    Não estou aqui lamentando pelo leite derramado, pois eu pergunto; O que foi feito com esta discordia, há muito tempo, para o crescimento da nossa IPB.

    Hoje, após 34 anos esta outra igreja esta cheio de traidores expulsando os presbiterianos reformados e batizando à “rodo” quém não se convertem e sim, que são convencidos à práticas neo- pentecostaias de dar nojo.

    Estou lamentando por este leite que está derramando.
    Como vencemos as lutas oriúndas das discórdias de outróra? Que não foram pequenas, foi nos sustentando nas Palavras do nosso Deus , que é Grandioso.

    PS: Uma resposta de uma pergunta de um blog, nos Estados Unídos:

    Qual a diferença, entre a Igreja Católica e uma igreja penteconstal?

    A resposta não é minha.

    “Uma tém o papa e a outra tém dito coisas sem valor, como , você se queimará no inferno

     
  50. Carlos Lysias

    27 julho, 2008 at 1:49 pm

    Inviei antes por engano.

    continua a tradução da pergunta em inglês, ( diferença) sobre pentecostal…
    e igreja católica.
    …..e a outra diz que você queimará no fogo do inferno se não se converter( à ela).

    Espero ter sensibilizado alguém, que aínda queira dividir a nossa IPB.

    Enquanto isto, a religião islãmica cresce assuntadoramente.

    Oremos por todos nos, Presbiterianos reformados.

    Que Deus nos Abençoe.

    carloslysias@terra.com.br

     
  51. darvenginzks

    29 julho, 2008 at 5:21 pm

    I’ve recently joined and wanted to introduce myself 🙂

     
  52. Lic. Anatote Lopes da Silva

    30 julho, 2008 at 3:07 pm

    Não tenho temores a respeito da ordenação feminina, não tenho dificuldade de conviver com elas, mas, não encontro fundamento bíblico para defesa desta ordenação. Também discordo respeitosamente da opinião do senhor Danilo Gonçalves de Oliveira que Disse: (23 Junho, 2008 em 1:29 pm)”Concordo em parte. Na Bíblia fala-se em Diaconisa. E até aí eu concordo. Mas daí a se chegar em Presbíteras e Pastoras é um salto muito grande. Onde se fala em pastora na Bíblia é onde os servos foram buscar uma mulher para Isaque, que a acharam pastoreando animais. A Bíblia fala que a mulher é uma auxiliadora idônea do homem. Que o homem é que tem que governar bem a sua casa. Já pensou você HOMEM, que governa a sua casa, e quando chega na Igreja é a MULHER QUEM GOVERNA? Controvérsia não?” Porque então discordo das belas palavras do nosso irmão. A principio, porque uma posição precisa te integridade, ou concordamos ou discordamos, ou, não sabemos. A bíblia também não fala de diaconisas. Onde o “vervo” como substantivo aparece nos textos bíblicos, onde se lê a palavra emprestada do grego para designar o oficio ordenado, não se trata de diaconisas ordenadas, ou seja, mulheres também serviam na Bíblia sem terem sido ordenadas, em todo o tempo, com seus bens e boas obras; o serviço não é proibido nas Escrituras, mas, toda instituição tem suas normas, na instituição do diaconato, no texto clássico de Atos 6, a Palavra de Deus instrui para que sejam separados homens, o que no texto grego, aparece a exatidão dos termos designativos de gênero, não permitindo confusões. Excluindo as mulheres. Portanto, antropos, é homens e mulheres, ou seja, humanidade, mas, andras somente homens, e, a palavra utilizada ali é andras, termo exclusivamente masculino. Radicalmente as mulheres do contexto da instituição do oficio do diáconato são excluidas.

     
  53. Lic. Anatote Lopes da Silva

    30 julho, 2008 at 3:10 pm

    Onde está escrito “vervo” se lê “servo”.

     
  54. Rev. Normando

    31 julho, 2008 at 8:12 am

    Prezado irmão Lic Anatote:
    “Na Bíblia fala-se em diaconisa”. Isso é muito pouco para a ordenação de mulheres ao diaconato. Como respondi àquele irmão, o termo diácono/diaconisa nem sempre refere-se ao ofício. Até o momento ( se me demonstrarem biblicamente mudo de opinião) não vejo base bíblica para ordenação de mulheres para os dois ofícios: Presbiterato e Diaconato.
    A nossa IPB é tão bíblica que reconhecendo essa diferença, permite ao conselho da Igreja local “designar, se convier, mulheres piedosas para cuidar dos enfermos, dos presos, das viúvas e órfãos, dos pobres em geral, para alívio dos que sofrem” (Artigo 83, alínea “x” da CI)

     
  55. Rev. Normando

    31 julho, 2008 at 2:02 pm

    Irmão Lic Anatote:
    No meu texto anterior, ficou parecendo, pela forma de colocar no início do texto, que discordo dos seus argumentos. Não foi o caso, como o irmão pode perceber no restante do texto. Foi a pressa.
    Abs.
    Normando

     
  56. Ludgero Neto

    6 agosto, 2008 at 3:37 pm

    Amados, creio que na grande maioria dos posicionamentos eu não tenho intenção de acrescentar mais nada, afinal, o rev. Normando e outros colegas tem feito de uma forma coerente com a Biblia e por isso louvo a Deus pela vida desses irmãos.
    Quanto aos favoraveis a ordenação feminina eu pondero da seguinte forma:

    A amada irmã que disse que com o tempo os “idosos” que argumentam contra a ordernação feminina, logo serão levados pelo nosso Deus e por isso nossa igreja mudará eu lhe digo que não, pois creio que pela misericórdia de Deus, uma nova geração vem sendo levantada por Ele para manter a luta que começou com nossos avós e hoje cabe a nossos pais, pois é sendo fiel as Sagradas Escrituras que afirmo no seguinte versículo: “O que ouvimos e aprendemos, o que nos contaram nossos pais, não encobriremos aos nossos filhos…”
    não se alegre na sua mocidade minha irmã, única e exclusivamente pois lhe dá mais tempo para divulgar suas idéias, lembre-se não somos eu ou voce os mentores da igreja, Deus é o Senhor da Igreja e sempre será.

    Em segundo lugar, respondo ao irmão “revoltado” e creio no que o irmão crê, se nós que tanto afirmamos pela verdade da Palavra, que defendemos aquilo que a Palavra defende e não aceitamos argumentos sociologicos, não lutarmos já pela formação pastoral de nossa igreja que hoje não anda, e sim manca, nossos debates não passarão dos blogs…

    Seja Ele misericordioso com a igreja

    em Cristo

    Neto

     
  57. luciane rangel barbosa

    6 agosto, 2008 at 6:18 pm

    Pastora, é bíblico?

    A ordenação de mulheres ao pastorado (bem como, ao diaconato e presbiterado) não é uma unanimidade entre as igrejas evangélicas, em algumas denominações há sérias restrições quanto ao ministério feminino, proibindo-as de exercerem cargos de liderança. É uma visão que destoa dos princípios bíblico.

    É fato que o Apóstolo Paulo em sua epístola, faz algumas restrições às manifestações das mulheres na igreja, mas, antes de generalizarmos estas recomendações Paulina é preciso que façamos uma analise da situação feminina diante da cultura oriental, ainda hoje, as mulheres são vista como um ser inferior sem voz ativa, eram comercializadas, proibidas de estudarem, saírem às ruas ou mesmo se mostrarem. Esta visão cultural justifica por completo a ação do Apostolo, a igreja carecia de credibilidade diante da sociedade constituída por gentios, a instituição de mulheres como líderes não seria uma atitude sábia à obra missionária.

    Na Bíblia encontramos as mulheres exercendo uma série de atividades eclesiais, por exemplo: Servindo na igreja (diaconisas), evangelistas, profetisas, pregadoras, obreiras, etc. Diante de tantos exemplos, é impossível negarmos o chamado e a unção de mulheres ao pastorado. Inclusive, o mover do Senhor é uma realidade em nossos dias, mesmo que não houvesse nenhuma citação na Bíblia endossando o chamado feminino, ainda assim seria aceitável, desde que revelado pelo Espírito Santo de Deus, o verdadeiro edificador da igreja.

    Exponho a seguir uma série de atividades exercidas pelas mulheres, veja:

    1- Serviram ao Senhor e a Sua igreja:
    LC 1.30-38 “ Então o anjo continuou: —Não tenha medo, Maria! Deus está contente com você. Você ficará grávida, dará à luz um filho e porá nele o nome de Jesus. Ele será um grande homem e será chamado de Filho do Deus Altíssimo. Deus, o Senhor, vai fazê-lo rei, como foi o antepassado dele, o rei Davi. Ele será para sempre rei dos descendentes de Jacó, e o Reino dele nunca se acabará. Então Maria disse para o anjo: —Isso não é possível, pois eu sou virgem! O anjo respondeu: —O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Deus Altíssimo a envolverá com a sua sombra. Por isso o menino será chamado de santo e Filho de Deus. Fique sabendo que a sua parenta Isabel está grávida, mesmo sendo tão idosa. Diziam que ela não podia ter filhos, no entanto agora ela já está no sexto mês de gravidez. Porque para Deus nada é impossível. Maria respondeu: —Eu sou uma serva de Deus; que aconteça comigo o que o senhor acabou de me dizer! E o anjo foi embora.”
    Rm 16.1-6 “Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que está servindo à igreja de Cencréia, para que a recebais no Senhor como convém aos santos e a ajudeis em tudo que de vós vier a precisar; porque tem sido protetora de muitos e de mim inclusive. Saudai Priscila e Áqüila, meus cooperadores em Cristo Jesus, os quais pela minha vida arriscaram a sua própria cabeça; e isto lhes agradeço, não somente eu, mas também todas as igrejas dos gentios; saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles. Saudai meu querido Epêneto, primícias da Ásia para Cristo. Saudai Maria, que muito trabalhou por vós.”
    Fp 4.3 “E a você, meu fiel companheiro de trabalho, peço que ajude essas duas irmãs. Pois elas, junto com Clemente e todos os outros meus companheiros, trabalharam muito para espalhar o evangelho. Os nomes deles estão no Livro da Vida, que pertence a Deus.”
    2Rs 4.9,10 “Ela disse ao seu marido: —Tenho a certeza de que esse homem que vem sempre aqui é um santo homem de Deus. Vamos construir um quarto pequeno na parte de cima da casa e vamos pôr ali uma cama, uma mesa, uma cadeira e uma lamparina. E assim, quando ele vier nos visitar, poderá ficar lá.”
    Mt 26.12,13 “O que ela fez foi perfumar o meu corpo para o meu sepultamento. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: em qualquer lugar do mundo onde o evangelho for anunciado, será contado o que ela fez, e ela será lembrada.”

    2- Profetizas:
    Miriã: Ex 15.20 “A profetisa Míriam, que era irmã de Arão…”
    Débora: Jz 4.4 “Débora, mulher de Lapidote, era profetisa…”
    Hulda: 2Rs 22.14 “Então, os sacerdotes… foram ter com a profetisa Hulda.”
    Noadia: Ne 6.14 “… profetisa Noadia e dos mais profetas …”
    Ana: Lc 2.36 “Havia uma profetisa, chamada Ana…”
    Filhas de Felipe: At 21.9 “Ele tinha quatro filhas solteiras que profetizavam.”

    3- Juíza Instituída por Deus em Israel:
    Débora: Jz 4.4 “…Era também juíza dos israelitas naquele tempo.”

    4- Obreiras:
    Priscila: At 18.26 “Ele começou a falar com coragem na sinagoga. Priscila e o seu marido Áquila o ouviram falar; então o levaram para a casa deles e lhe explicaram melhor o Caminho de Deus.” Rm 16.3 “Mando saudações a Priscila e ao seu marido Áquila, meus companheiros no serviço de Cristo Jesus.”

    5- Diaconisa:
    Febe: Rm 16.1,2 “Eu recomendo a vocês a nossa irmã Febe, que é diaconisa da igreja de Cencréia.”

    6- Evangelistas:
    Jo 4. 27-29 “Naquele momento chegaram os seus discípulos e ficaram admirados, pois ele estava conversando com uma mulher… Em seguida, a mulher deixou ali o seu pote, voltou até a cidade e disse a todas as pessoas: —Venham ver o homem que disse tudo o que eu tenho feito. Será que ele é o Messias?”
    Fp 4.3 “E a você, meu fiel companheiro de trabalho, peço que ajude essas duas irmãs. Pois elas, junto com Clemente e todos os outros meus companheiros, trabalharam muito para espalhar o evangelho.”

    7- Pregando aos judeus no templo:
    Ana: Lc 2.37,38 “e que era viúva de oitenta e quatro anos. Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações. E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.”

    8- Presente na primeira reunião de oração:
    At 1.14 “Eles sempre se reuniam todos juntos para orar com as mulheres, a mãe de Jesus e os irmãos dele.”

    9- Pastor é um dom:
    Ef 4.11 “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres.”

    Fica claro que o ofício de pastor é um dom, semelhante ao de profeta, portanto, não há conotação quanto a pessoa ser homem ou mulher. O que realmente é necessário é uma vida santa e pura diante de Deus.

    As restrições determinadas por algumas igrejas às atividades das mulheres como líderes, são frutos de entendimento humano. O que Deus quer para a Sua igreja verdadeiramente são homens santos, puros e cheios do poder do Espírito, independente do sexo.

    “Vocês, porém, não vivem como manda a natureza humana, mas como o Espírito de Deus quer, se é que o Espírito de Deus vive realmente em vocês. Quem não tem o Espírito de Cristo não pertence a ele.” Rm 8.9

    Elias R. de Oliveira

     
  58. Carlos Lysias

    6 agosto, 2008 at 8:15 pm

    A Luciane Rangél Barbosa.

    A querida irmã citou vários textos, nos quais as mulheres marcaram presença na igreja.
    Digo por conhecimento de causa. Minha amada Mãe, já falecida, trabalhou à frente da SAF por 54 anos, colaborando com meu querido pai, também falecido , que pastereou várias igrejas, com muita determinação, e firmeza na doutrina presbiteriana.
    O trabalho evangelistico, que a minha mãe propunha, era mais fora do que dentro da igreja. Me recordo como as mulheres saíam para evangelizar. E a UPH também.

    Imagina amada irmã. So com a ordenação de homens, muitas igrejas que se auto-intitulam “evangélicas”, estão se dividindo, porque todos que possui uma razoavél, oratória, ja afirmam que tém o dom da “palavra”, e já abrém outra igreja, pois não lhes deram o púlpito. Conhecimento teológico. ZERO.
    Na minha cidade abriu mais uma.
    IGREJA QUADANGULA INDEPENDENTE- CLÍNICA DE CRISTO—DURMA COM UM BARULHO DESTE.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Pregar o evangélho, não é somente dentro da igreja.

    Veja minha irmã, a carta que postei no dia 27 de julho. Já neste caso, a presidente da SAF era uma outra senhora. Observe o que ela fez como presidente da SAF.
    E se ela fosse pastora? A igreja DELA”, separou da ipb e nos fomos expulso .
    O crescimento do verdadeiro evangélico de Cristo, depende único e exclussivamente, da unidade do homens( genérico), frente as lutas e dificuldades com o inimigo, que a cada dia se mostra fortalecido, diante das discordias prevalecidas pelo EGOCENTRISMO.

    PS: Com a ordenação de mulheres, terá influência, no quando da volta de Cristo?
    Se sim, temos que conversar mais.

    Que Deus nos abençoe

    Carlos Lysias

     
  59. Rev. Normando

    7 agosto, 2008 at 11:41 am

    Querida irmã Luciane Rangel Barbosa:
    As atividades das santas mulheres registradas no NT que a sra. menciona servem de base para afirmarmos que a nossa IPB tem se firmado nas bases certas. Essas atividades podem ser vistas nas nossas igrejas.
    Na Igreja que pastoreio uma mulher é superintendente da escola Dominical, outra é tesoureira da Igreja, quem leciona a classe dos jovens é também uma irmã piedosa. Duas senhoras competentes fazem parte da comissão de construção e reformas e muito contribuem, principalmente com a sua sensibilidade estética. Uma irmã coordena a semana de oração. Todas elas, porém, atuam sob a autoridade do conselho da Igreja que as desingou para essas funções. Esse é o princípio do NT. As mulheres podem orar e profetizar, mas com a cabeça coberta, isto é, sob autoridade. O que o texto do NT afirma diretamente é: “Não permito que a mulher exerça autoridade de homem” ( 1 Tm2.12). Esse texto deve ser comparado com o ensino do restante do NT sobree a questão do ensino e exercído de autoridade e o uso do véu.
    Por que a IPB não inclui entre as atividades das irmãs o presbiterato e o diaconato (ofício, ordenado)? Porque esses ofícios não podem ser encontrados entre as atividades mencionadas pela irmã. A nossa Igreja, graças a Deus, até agora e eu espero que permaneça assim, não tem “ultrapassado o que está escrito”. A Bíblia é a nossa única, suficiente, infalível e inerrante regra de fé e de prática. A Palavra de Deus.
    Louvamos a Deus pelas irmãs dos tempos bíblicos e de todas as épocas, inclusive dos nossos dias, pelo seu precioso serviço prestado à Igreja do Senhor Jesus!Confesso que só tenho um argumento para ser contra a ordenação feminina: falta base bíblica.
    Abraços,
    Normando

     
  60. Adeline Andrade

    8 agosto, 2008 at 12:23 am

    Amados Pastores,
    Não estou aqui para me posicionar nem contra, nem a favor do tema defendido. Só gostaria de agradecer pela preocupação de cada um de vocês em exclarecer-nos sobre temas tão pertinentes à realidade da IPB hoje. Obrigada porque mesmo tendo uma vida tão agitada com seus rebanhos locais, com os estudos e pregações que por certo têm que preparar, além de inúmeras outras atribuições, ainda acham tempo para, com suas palavras sábias acalentar o coração de ovelhas que muitas vezes não são nem de suas Igrejas locais, mas que se preocupam com a IPB e se importam em vê-la crescendo de forma sadia, não contaminada por modismos, longe do que nos prescreve a Palavra de Deus. Agradeço a Deus por esse canal aberto e porque vocês como homens de Deus tem transposto as paredes de suas Igrejas locais e contribuído para que uma nova reforma se faça no seio da Igreja no Brasil. Obrigada porque com o uso de novas ferramentas tem dito de marcos que não podem ser removidos, os marcos que antigos nos legaram. Grata sou porque Deus tem nesse espaço usado pastores segundo o “Seu coração”, não se valendo desse veículo como uma fulga de suas obrigações locais, mas como uma ferramenta de Deus para fazer com que mais mentes críticas se levantem em prol de uma Igreja teocêntrica e que coloque o homem e suas vontades no seu devido lugar.
    Que a voz de vocês pastores nunca se cale. Críticas e ofensas podem até vir, mas que elas sirvam apenas para fortalecê-los na luta pelo Santo Evangelho que pregaram nossos pais.
    Deus os abençoe. A. Andrade

     
  61. Anônimo

    19 agosto, 2008 at 6:57 pm

    Em seu livro, O que As Nossas Mães Não Nos Disseram, Danielle Crittenden faz a seguinte declaração: “Infelizmente, não existe um modelo contemporâneo para o casamento no qual a nossa crença moderna na igualdade sexual possa ser reconciliada com as inerentes diferenças de nossas naturezas sexuais.”

    Eu espero lhe inspirar mostrando a você como a fé cristã oferece este modelo. Ao prover um relacionamento matrimonial transcendente de amor eterno entre Deus o Criador e Redentor e o Seu povo (O casamento celestial o qual é o clímax da historia da redenção),
    o Cristianismo provê um caminho para o poder genuíno, o amor duradouro e a verdadeira liberdade e reproduz tais frutos no casamento daqueles que pertencem a Deus.

    O que As Mulheres Buscam?

    Em minha experiência pessoal com mulheres em trinta anos desde que eu me formei na faculdade, eu descobri que a maioria delas, Cristãs ou Ateias, casadas ou solteiras, com vinte anos ou com setenta anos, buscam as mesmas coisas.

    • Em seus relacionamentos com homens, elas querem pais fiéis, irmãos, maridos e filhos que as amem e as respeitem, ao invés de as ridicularizar, as ignorar ou as machucar. Elas querem uma relação sexual agradável mas significativa.

    • Em seus relacionamentos com mulheres, elas querem honestidade, e uma verdadeira irmandade, assim também com mulheres mais velhas que possam lhes aconselhar.

    • Elas querem ter a satisfação de gerar e educar bem os filhos

    • Elas querem ter um lugar no qual elas possam chamar de lar, não simplesmente um apartamento, mas um local a qual elas tenham afeição, um lar seguro no qual elas podem ser elas mesmas sem medo e onde outras pessoas possam vir e receber algo delas.

    • Elas querem ter um senso de significância, querem fazer algo que tenha alguma importância para o mundo. Algo que só elas possam fazer.

    Pelo fato de alguns desses desejos serem mutuamente exclusivos, as mulheres desistiram de suas esperanças em uma área para poderem explorar um caminho de satisfação em outra.
    Ao pensar que a libertação de estruturas autoritárias, poderia lhes dar um senso de identidade individual, elas defendem a autonomia. Vamos recordar o discurso de Kate Millett em 1970: “A autonomia da mulher é tudo o que a liberação feminina diz respeito.” Pensando que os homens precisavam a prender a tratar a mulher com respeito, elas tentaram forçá-los a este comportamento. Pensando que elas poderiam expressar o seu valor e sua individualidade ao afirmar que elas tinham o controle sobre o seu próprio corpo, elas escolheram proclamar um direito a satisfação sexual sem restrições e a abortar sem sentir culpa. Ao pensar que a melhor maneira de gerar e criar filhos seria terem menos filhos e apenas depois de algum tempo, elas colocaram sua carreira antes dos filhos, cronologicamente e em termos de valores. Ao pensar que a liberdade deve decapitar o rei, elas atacaram o palácio do ultimo patriarca, o Deus Cristão. (Pegue, por exemplo, a declaração de Virginia Mollenkott, que até pouco tempo era identificada pelos cristãos como uma pessoa evangélica, “O patriarcado é um sistema social profundamente errado que causa miséria a milhões de pessoas e pode vir a causar a destruição da espécie humana e do planeta o viemos juntos.”)

    Ninguém pode negar a revolução que as mulheres fizeram nos últimos trinta anos. Eu não vou listar todas as mudanças que ocorreram. Mas onde estão as mulheres agora? Elas estão mais felizes agora do que quando eu me formei na faculdade de Wellesley em 1971, no meio da marcha feminista pela independência?

    A Revolução Sexual Tornou a Mulher Mais Feliz?

    Danielle Crittenden descreve a sua pesquisa com esta questão. “A mulher de hoje se alegra com as oportunidades e a liberdade sem precedentes,” ela afirma.

    Então porque, eu me pergunto, os artigos nas revistas femininas estão tão pessimistas? Eu peguei trinta anos de edições antigas das revistas Mademoiselle, Glamour, Vogue, Redbook, Cosmopolitan, e McCall’s do monte de revistas da livraria do congresso, Foi em parte de revistas como estas que Betty Friedan concluiu em 1963 que as mulheres de sua geração se sentiam infelizes e reprimidas. Uma grande transformação social havia tomado conta…Isto fez com que as mulheres ficassem mais felizes?…Através de uma medição geral do humor,…a resposta foi um não ecoante.

    De acordo com Crittenden, as mulheres de hoje são mais propensas a se divorciar ou a nunca se casar, mais propensas a ter filhos fora do casamento, são mais propensas a se drogar ou a se embebedar ou morrer na miséria. Elas são mais propensas a carregar nos ombros o trabalho doméstico mesmo trabalhando fora de casa. A sua maneira provocativa de descrever o problema é dizer que a 30 anos atrás que muitas mulheres não eram tratadas como seres humanos e atualmente muitos seres humanos não são tratados como mulheres. Ela cita uma estudante universitária frustrada que fala a respeito dos homens, “Tudo o que o homem quer é ficar com você por uma noite e a maioria deles nem te telefona no dia seguinte….quanto mais casual a mulher deixar que os relacionamentos físicos com homens fiquem menos respeito elas terão. Os homens não nos namoram, porque eles nem precisam disso.” Como mão de cinco filhas das quais só uma achou o “seu homem”, eu ouço criticas diárias a respeito dos rapazes de hoje, que flutuam como águas vivas sem espinha, levados por um mar de incertezas, sem direção, propósito ou coragem.

    É possível encontrar relacionamentos equilibrados entre os sexos? Pode uma mulher encontrar e se comprometer com um homem que não seja um tirano ou um fraco? Pode ela encontrar satisfação em casa sem perder um senso de identidade em um mundo maior? Pode ela criar filhos sem se tornar escrava deles?

    Relacionamentos Comprometidos Satisfazem o Desejo de Uma Mulher

    Mulheres podem ter bons relacionamentos. Elas podem descobrir o seu valor dentro e fora da família. Elas podem ter a esperança de ter um lar verdadeiro, e criar os filhos de um homem que seja fiel a elas. Uma mulher feliz, assim como um homem feliz, é uma mulher na qual os seus relacionamentos estão fundamentados em um compromisso. Eu percebo que esta palavra está obsoleta. Em São Diego esta palavra é usada para descrever um bairro desejado e caro em particular. Todo mundo sonha em morar no “Compromisso”. Eu gostaria de abrir as suas mentes a respeito da possibilidade de morar no Compromisso, um bairro muito mais desejado e caro que o seu reflexo em São Diego.

    Um Compromisso é um contrato de acordo entre duas partes no qual cada parte deve assumir as suas responsabilidades. Quando o compromisso é cumprido isto resulta em recompensas. Quando o compromisso é quebrado isto resulta em conseqüências. Nós assumimos compromissos constantemente. Nós assinamos acordos de cartões de crédito, financiamentos, licenças de programas de computador, empréstimos educacionais e nossa devolução do imposto de renda.
    A nossa assinatura atesta a nossa promessa de obedecer a certas regras e afirma que nós sabemos quais são as conseqüências de se quebrar estas regras. Apesar de algumas vezes nós nos arrependermos de ter assinado algumas promessas, por outro lado nós geralmente ficamos satisfeitos que a nossa assinatura nos garante proteção e cobertura. Você se lembra do alivio que você sentiu quando você chegou na ultima página do seu contrato e descobriu que o seguro do seu cartão de crédito cobria aquele acidente que você teve na locadora de carros?

    Tanto a mulher quanto o homem precisam de uma estrutura de compromisso se eles querem que os seus relacionamentos sejam satisfatórios. Relacionamentos com compromisso são baseados na confiança mutua, o que por sua vez a baseado no compromisso.

    Relacionamentos Com Compromisso São Certos

    Apesar das promessas humanas não serem infalíveis, elas são genuinamente valorosas. Nós temos apreço por aquelas pessoas nas nossas vidas as quais as suas palavras são verdadeiras. Nós escolhemos amigos que são honestos a respeito de si mesmos e a respeito da vida, mesmo que a honestidade deles nos faça lembrar das nossas fraquezas. Mas honestidade não é o único critério para uma promessa. Para que um contrato de compromisso seja feito, confiança é congregada ao compromisso. “Serei fiel a ti até a morte.” A confiabilidade de um homem não tem função nenhuma para uma mulher até que ele faça esta promessa a ela. E a sua promessa não tem valor se não for firmada em seu caráter de confiabilidade.

    Mas aí nós temos um problema. Dois seres humanos não podem prometer tal fidelidade uma para com o outro sem aceitar a noção de sacrifício. Um homem e uma mulher que prometem fidelidade um para com o outro estão declarando que sacrifício próprio é um elemento necessário para fazer a outra pessoa feliz. Uma promessa de fidelidade implica uma promessa de sacrifício: Eu colocarei as suas necessidades a frente das minhas próprias necessidades. Ou como diria o moto da minha faculdade, non ministrati sed ministrare. Não seja cuidado, cuide. Algumas vezes eu digo aos meus filhos que a única discussão que eu quero ouvir é: “Vai você primeiro!” “Não, vai você primeiro!”
    Relacionamentos Com Compromisso São Pessoais

    Promessas nos juntam como individuo. Eles assumem que nós somos diferentes de pedras e arvores. Existe uma noção “face a face” a respeito dos juramentos que reconhece um valor igual a cada individuo e um valor de igual importância para a unidade criada através da união destes dois indivíduos. A primeira reação de Adão ao ver Eva foi o equivalente hebraico de “UAU!” Seguida pela natureza “in your face” do relacionamento de Eva para com ele: “UAU! Isto é sem duvida carne da minha carne e ossos dos meus ossos.”

    Algumas promessas pessoais são corporativas. Contratos legais podem tratar um grupo de pessoas como uma só pessoa. Comunidades estão unidas pelas promessas que seus legisladores fazem em relação ao estado. Uma sala de aula os alunos podem se comprometer com a professora a apresentar uma peça de teatro para a escola. Em uma ação comunitária, indivíduos compartilham uma identidade particular com o propósito de apresentar um caso. Mas no juramento matrimonial, o compromisso é feito de uma pessoa para outra.

    Relacionamentos Com Compromisso Envolvem A Pessoa Por Inteiro

    As promessas feitas em uma estrutura matrimonial comprometida são tais que corpo e alma estão envolvidos. Para a verdadeira fidelidade marital, estes dois devem ser mantidos juntos, para evitar dois extremos criados quando uma separação gnostica entre o físico e espiritual é permitida. Quando tal divisão ocorre, corpo pode ser dado à lascívia (já que ele é de menor importância) ou pode ser controlado por asceticismo (o qual nega os prazeres ao corpo porque o físico é considerado pecaminoso). Relacionamentos verdadeiramente comprometidos entre o homem e sua esposa permitem ao homem que veja a beleza física de sua esposa e se regozije com isto, enquanto ele também a ama como pessoa. Isto permite a mulher que absorva a atenção física de seu marido sem retirar a ligação espiritual que está compreendida nisto. Espiritualmente e fisicamente unidos em uma verdadeira comunhão.

    Relacionamentos Com Compromisso São Íntimos

    Confiança requer honestidade. Honestidade no casal significa que o amor continua apesar da fraqueza ou de um comportamento intencionalmente egoísta. A graça necessária em tal relacionamento produz carinho perdão que quando recebidos cria um desejo de fazer o que é bom. Quando uma mulher sente que o seu marido sabe tudo a seu respeito e ainda assim a ama, ela estará pronta verdadeiramente para experimentar a intimidade. Como o Lorde Peter Wimsey diz ao falara com sua esposa em Dominações do Trono de Dorothy Sayers e Jill Pator Walsh: “Você me desmascarou e me ama da mesma forma.” Esta intimidade é encontrada na graça e no perdão.

    É impossível que todos os elementos que foram citados acima sejam criados com o esforço de só uma pessoa. Uma promessa absolutamente verdadeira só pode vir de uma pessoa que se sacrifica absolutamente e que seja absolutamente honesta. Um verdadeiro relacionamento pessoal só pode ser criado entre duas pessoas perfeitas. Uma perfeita união de corpo e alma só pode acontecer em uma pessoa que entende e controla os dois. E uma intimidade verdadeira só pode acontecer entre duas pessoas que sejam perfeitas ou duas pessoas são perfeitamente capazes de perdoar a todo o momento

    O Evangelho é a Única Base Para Um Compromisso

    Então como podem dois seres humanos sem fé esperar honestidade e confiança um do outro? Como as mulheres podem confiar nos homens, depois de tudo que os homens já fizeram a elas, tanto durante a história quanto em um nível pessoal? E como os homens podem confiar que as mulheres não serão manipuladoras ou que não tirarão proveito de sua vulnerabilidade?
    Só existe uma fonte de certeza, de totalidade, de personalidade, de intimidade. Esta fonte é a Pessoa criativa que fez o mundo para refletir tais qualidades, que eram encontradas inicialmente só no Criador. Todos os seres humanos são capazes de compromisso, pois eles foram feitos a imagem daquele que os criou.
    No entanto aqueles que confiam no Criador para a força, humildade e amor para viverem os seus compromissos matrimoniais (ou outro relacionamento humano), irão construir laços mais fortes do que aqueles que pegam emprestadas qualidades que eles não respeitam ou não vêem como uma de suas qualidades.

    O cristão compreende o fundamental, a ordem criada por Deus a qual ele colocou no mundo, e recebe o poder de superar o mal, que tem mudado esta ordem, fazendo uma parodia dela. Para nós entendermos o compromisso limitado que a mulher faz com o homem no casamento, nós devemos compreender que tal compromisso é só uma sombra de um compromisso ainda maior.

    O Compromisso Familiar Reflete a Natureza de Deus o Criador

    Inquebrável – “Eu sou quem eu sou”

    Deus estabeleceu estruturas de compromisso com as suas criaturas. Existe um grande acordo cosmológico, um contrato com o universo, que transmite promessas e conseqüências. É claro, quando dois seres humanos entram em um acordo, eles selam isto diante de um tribunal ou de alguma autoridade que irá fazer justiça, pois alguma coisa pode dar errada. No entanto Deus não pode jurar nada maior do que ele mesmo. Como o autor do livro de hebreus diz,

    “Pois os homens juram pelo que lhes é superior, e o juramento, servindo de garantia, para eles, é o fim de toda contenda.
    Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade do seu propósito, se interpôs com juramento,
    para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da esperança proposta;
    a qual temos por âncora da alma, segura e firme e que penetra além do véu.”
    (Hebreus 6:16-19)

    Esta natureza inabalável de Deus e Seu juramento, que foi jurado em Seu próprio nome, provêem a fundação do Compromisso Cósmico, e serve como um tribunal de justiça para todos os relacionamentos humanos. Só quando nós compreendemos e nos comprometemos aos termos deste compromisso maior é que nós podemos compreender as implicações dos compromissos menores, pois todos eles estão intimamente relacionados em função e propósito a este compromisso universal. Tanto a criação de Deus e quanto seus compromissos refletem o Seu caráter e nos mostram um pouco de quem Ele é.

    Separado – Face a Face

    Na pessoa de Deus existe a separação que nós lutamos como casal. Em Deus Pai está a autoridade, o amor inicial, o poder criativo, e as origens da compaixão. Em Deus Filho está a expressão igual, porém mais submissa que a do Pai, “Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder” (Hebreus 1:3). O Filho tanto expressa a gloria do Pai como recebe a glória do Pai. O Espírito é o grande comunicador, aquele que muda os corações, que revela a natureza de Deus, nos convence do pecado, nos mostra a beleza da retidão de Deus, revela a verdade da palavra de Deus, guia, motiva, aconselha, conquista, e traz em nome do Pai e do Filho.

    A igualdade da pessoalidade e da separação de funções é uma das maiores belezas e mistérios da trindade. Eu não pretendo envolver a minha pequena mente ao redor deste tesouro, mas uma coisa eu sei. Deus criou estruturas neste universo para nos mostrar Ele mesmo. A separação e igualdade das pessoas na família – o Homem como marido e pai, a mulher como esposa e mãe, e os filhos como reflexo dos dois, pai e mãe, e ainda indivíduos diferentes sujeitos aos pais – estas relações humanas, misteriosas como elas são, refletem uma maior profundidade e amplitude do amor expresso na insondável trindade.

    Unidos

    Neste relacionamento de perfeição trina nós temos a fonte de infinito amor, de absoluta comunhão, de fidelidade indivisível, de honestidade, de alegria intensa, e de paz. Em nossa sociedade hoje uma grande necessidade de unidade varre o planeta. Todos nós sentimos que esta unidade é necessária se o nosso mundo deve fazer sentido. Na trindade nós encontramos unidade, a base a nossa própria unidade humana. Jesus ora ao Pai por seus discípulos, “Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós” (João 17:11). Os cristãos sabem como manter a sua identidade, e ainda assim encontram a verdadeira unidade um com o outro. E o Homem cristão e a sua mulher têm esta fundação firmada para eles no casamento.

    Deus Criou Homem e Mulher

    Eu não estou querendo dizer que ao olhar para relacionamentos humanos, já que foi Deus que os criou, seremos capazes de compreender tudo que tem para compreender a respeito da pessoa de Deus. Mas Deus oferece gratuitamente uma grande quantidade de conhecimento a Seu respeito, e ele nos mostra isso tanto pelo mundo quanto pela sua palavra. E nós nunca queremos definir Deus pela nossa própria compreensão. Entretanto nós ficaremos muito mais satisfeitos em nos definir a partir da compreensão de Deus.

    Separados

    Deu criou o homem e a mulher não somente como indivíduos separados, como dois homens ou duas mulheres, mas criou dois tipos separados de indivíduos, feitos para completarem um ao outro e para que um se encaixasse com o outro, desta forma refletindo uma verdade maior a respeito de Deus do que qualquer dois ou mais membros da raça humana poderiam mostrar em qualquer outro tipo de relacionamento. O casamento tem um lugar especial na criação de Deus como uma expressão do Seu ser, e como uma expressão do Seu plano de redenção. Ao criar diferenças tão objetivas, Deus destaca na estrutura da Sua criação, a diferença destacada que nós devemos admitir – a separação de Deus da sua criação.

    Entretanto, esta separação não é um isolamento ou uma solidão cósmica. Nós fomos feitos separados, mas fomos feitos para comunhão.

    Iguais

    Deus criou o homem e a mulher iguais. A Bíblia está cheia de evidencias da igualdade ontológica do homem e da mulher diante do trono de Deus. Ambos são herdeiros do pacto da graça, consumado pela morte de Jesus e sua ressurreição (Gal. 3:28;1 Pedro 3:7) Ambos forma feitos à imagem de Deus (Gen. 1:27).
    Ambos respondem a Deus pelos seus próprios pecados. Ambos recebem o Espírito e são feitos filhos de Deus. Ambos foram comissionados a dominar o mundo e habitá-lo (Gen. 1:28). Ambos, por cumprirem fielmente seus papeis como marido e esposa, participam na encarnação de Cristo. Ambos recebem dons espirituais com os quais eles servem a Cristo, Sua igreja e o mundo.

    À Sua Imagem

    Quando nós falamos de sermos criados à imagem de Deus, nós não devemos definir o Criador nos mesmos termos da criatura. A rainha das terras de baixo no livro de C.S. Lewis, A Cadeira de Prata, tenta convencer Puddleglum, o príncipe, Jill e Scrubb a pensar que as terras baixas é o único mundo que existe. Os três amigos, sob o feitiço da musica da rainha, e um poder mágico de um talco que ela tinha jogado no fogo, lutam para afirmar a realidade do sol. “ Então veio a voz da bruxa, soando gentilmente, “O que é este sol de que você está falando?… Com o que isto se parece?”…
    “Você vê aquela lâmpada,” responde o príncipe. “Agora aquela coisa que nós chamamos de sol é como a lâmpada, só mais distante maior e mais brilhante.” A rainha ri. “Quando você tenta pensar claramente em como este sol deve ser, você só é capaz de me dizer que se parece com a lâmpada. O seu sol é um sonho.”

    Embora as coisas criadas por Deus nos dão uma idéia a respeito da natureza de Deus, nós não podemos criar Deus meramente pelo que nós vemos. Nós compreendemos que as estruturas criadas que nós vivemos, apesar de serem validas e boas, são uma fraca reflexão do ser de Deus. Desta forma para a humanidade ser criada a imagem de Deus, homens e mulheres, não se deve dizer que Deus é homem e mulher, algum tipo de reflexão andrógena da natureza humana. Ao invés disso, nós devemos dizer que homem e mulher refletem alguma coisa do que Deus é. A personalidade de Deus é muito maior do que a nossa, mesmo assim a nossa natureza pessoal criada reflete a personalidade de Deus.

    Para o Relacionamento Com Ele e Com Cada Um

    Nós somos criados para ter um relacionamento com o nosso criador primeiramente, e então também criados para nos relacionarmos com outros seres humanos. Deus é um ser relacionável. Com a Sua própria natureza Ele já era comunicativo, amável, participativo, alegre, e já havia experimentado o que é viver em comunidade antes dos seres humanos existirem. Ele não criou o homem porque ele se sentia sozinho. Quando ele criou o homem, Ele o criou a Sua imagem para relacionar-se primeiramente com Ele, depois com outros seres humanos. O primeiro relacionamento humano que Deus criou foi o relacionamento de marido e mulher. Deus não precisava dos votos do homem para a mulher ou da mulher para o homem, prometendo fidelidade um para o outro, mas talvez eles mesmos tenham criado. Ele criou este primeiro relacionamento homem-mulher como um casamento de fato. A fidelidade de Adão a Deus implicava em uma fidelidade não só ao seu papel de administrador da criação, mas também a mulher que Deus criou. E a fidelidade de Eva a Deus implica em uma fidelidade ao homem que já havia sido criado. Nós fomos já fomos criados em um relacionamento com Deus, e também em um relacionamento de um com o outro, homem e mulher.
    Primeiro em seu estado de perfeição e depois no seu estada caído, Deus pede a eles a obediência e promete a eles a Sua presença.

    Relacionamento Familiar

    Deus nos colocou em famílias. “Cantai a Deus,” diz o Salmo 68:4. “ SENHOR é o seu nome, exultai diante dele. Pai dos órfãos e juiz das viúvas é Deus em sua santa morada. Deus faz que o solitário more em família; tira os cativos para a prosperidade.” Em Efésios 3:14, o apóstolo Paulo diz – “me ponho de joelhos diante do Pai, de quem toma o nome toda família.” Deus colocou as estruturas familiares neste mundo não só para o nosso bem mas para nos mostrar uma sombra da beleza da trindade, na pessoa de Deus está toda a glória do relacionamento pessoal, comunhão, comunicação, camaradagem e amor.

    Nas Sociedades

    Uma extensão da ordem da família é encontrada na sociedade. Apesar da estrutura do único reino eterno ser obviamente uma teocracia, tal ordem não pode ser imposta politicamente. Jesus repreende Pedro quando ele pega uma espada em uma tentativa vã de estabelecer as leis de Cristo pelo uso de sua espada.
    Eu não sou uma criadora de teorias políticas, mas talvez seja justo dizer que as melhores expressões várias estruturas políticas refletem algum aspecto da lei de Deus. A democracia é a evidencia do valor individual no qual Deus deu ao homem. A monarquia reflete a lei benevolente de Deus, o Rei do reis. Um comunismo teísta pode enfatizar a bondade sacrifical que os seres humanos deveriam demonstrar uns para com os outros. Parece-me que se você colocasse pessoas perfeitas em qualquer estrutura política funcionaria muito bem. Eu não tenho competência para pensar a respeito das implicações da fé cristã na área da ciência política. Entretanto, Deus nos tem dito para sermos obedientes as autoridades enquanto as suas ordens não forem contra a vontade de Deus.
    “Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas”
    (Romanos 13:1). Entretanto existe uma hierarquia nas estruturas de autoridade, e a obediência a Deus vem acima de qualquer outra fidelidade. “Então, Pedro e os demais apóstolos afirmaram: Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (Atos 5:29).

    Como Igreja

    A Família redimida de Deus é chamada de Sua noiva. A historia da salvação é mostrada no livro de Oséias, no qual Deus continua a chamar o Seu povo mesmo eles sendo infiéis a Ele. Oséias foi chamado para se casar com uma prostituta e continuar a amá-la independente de qualquer coisa. E por várias vezes repetidamente ele a resgata. É difícil explicar para aqueles que não são filhos de Deus em Cristo o que a igreja representa para os cristãos. Rompendo todas as diferenças econômicas es sociais, rompendo todas as barreiras lingüísticas, a igreja é uma família que permite honestidade, intimidade, confiança, e uma irmandade que é até misteriosa. Os laços de amor que unem os cristãos ultrapassam lassos sanguíneos. Eu não estou querendo dizer que os cristãos sempre são consistentes com as estruturas que Deus criou para ele na igreja.
    Nós não somos mais consistentes nas estruturas da igreja do que nas estruturas dos nossos casamentos, mas isto não é culpa das estruturas.

    Deus Se Comunica Com Homem e Mulher

    Define o seu ser

    Eu não tenho nem o tempo nem a habilidade para mostrar todas as riquezas da comunicação de Deus conosco. Mas pegue uma Bíblia ele leia de capa a capa antes de fazer declarações a este respeito. Faça um desafia a Deus, “Se você realmente existe, Deus, então eu quero saber se você se revela neste livro.” Eu não tenho dificuldade em crer que eu não criei a mim mesma e se eu quero descobrir como posso ser feliz e qual o meu papel neste mundo, eu devo buscar isto na pessoa que me fez. Os cristãos algumas vezes são acusados de se orgulharem de sua exclusividade. Mas eu peço licença para discordar. Precisa ser muito humilde para permitir que nós sejamos definidos por um ponto de vista externo! Que arrogância seria fazer de mim o ponto de partida para definir a mim mesma e o mundo ao meu redor. Não, eu quero descobrir o verdadeiro eu. Eu quero saber isso da pessoa que me fez tudo o que eu sou, quem Ele é, como amá-lo, como descobri-lo, e como glorificá-lo.

    Quando nós nos mudamos da França para os Estados Unidos em 1991, uma das minhas filhas tinha 13 anos. Ela é uma garota graciosa e desde quando ela era pequena, ela gastava muitas horas em danças, teatros, musicas e outros tipos de shows para nós. Sua inclinação natural era para a musica, teatro e cantar. Entretanto quando ela foi para o segundo grau na escola americana, estes dons não foram valorizados. Eu assisti a sua luta para se expressar quando ela estava aprendendo a jogar basquete, mas ela se tornou infeliz durante os seus anos no segundo grau, tentando ter uma imagem imposta a ela pelas pessoas ao seu redor, ao invés de desenvolver a natureza que lhe foi dada.
    Isto não é uma ilustração exata, embora eu tivesse uma boa Idea das habilidades da minha filha e de sua natureza, eu não a criei. Mas as suas lutas são uma boa imagem do que nós fazemos a nós mesmos. Deus, que nos criou, sabe exatamente o que nos fará felizes. Se nós perguntarmos a Ele, Ele nos mostrará como florescer e desenvolver, como seguir a nossa verdadeira natureza. No entanto se nós ouvirmos as vozes ao nosso redor, nós estamos mais propensos a nos tornarmos miseráveis e insatisfeitos, tentando jogar basquete ao invés de dançar. Porque eu devo pensar que um grupo de seres humanos egoístas e limitados que não me conhecem e não ligam para o que acontecer comigo sabem mais sobre o que me fará feliz do que o meu Pai celestial, que me fez, que sofre com a minha solidão, que me mostrou o plano da minha vida, e que mandou o Seu próprio Filho para morrer por mim?

    Define os seus papeis

    Deus define como nós devemos nos relacionar com Ele e um com o outro.
    Felizmente nós não temos que adivinhar estas coisas. Deus revelou a sua vontade a este respeito. Na Bíblia eu encontro expressão confiável, unificada, profunda e satisfatória da vontade e do trabalho de Deus no mundo. Eu já escrevi algumas histórias infantis, e quando eu vejo como é complicado e difícil fazer com que cada personagem, mesmo quando são poucos, façam sentido na historia, eu fico impressionada quando eu vejo a história que Deus criou. Escrita por centenas de anos, por muitos autores, a Bíblia tem uma unidade incomparável na literatura. Pegue qualquer tema e o acompanhe de gênesis a apocalipse e você encontrará as mais incríveis verdades juntas. Os personagens são realistas. O comportamento deles é consistente. Suas vidas se encaixam como uma incrível tapeçaria da historia. O drama do homem contra o mal começa nos primeiros capítulos e chega ao clímax infinito através da morte do autor encarnado, que entrou nas paginas da Sua história e salvou os Seus personagens. Impressionante.
    Deus o autor da história também é o autor da Palavra que nos informa Sua vontade e as Suas intenções, e os Seus planos para as nossas vidas. Eu confio em Deus para definir por mim o tipo de vida que me trará a verdadeira satisfação, mesmo que isto me leve a passar pelo abismo e pelo pântano do desespero e sofrimento.

    Exige Obediência

    Deus exige a nossa obediência. Nós estamos sujeitos a sua majestade por que nós somos Suas criaturas, criados por Ele e para a Sua glória. Não existe razão em negar a exigência soberana de Deus. Ele espera que nós creiamos nele, que confiemos nele, que sirvamos a Ele, que entreguemos os nossos corações a ele, que as nossas vontades sejam as vontades Dele, e “que traga todo o pensamento fixado em Cristo.“ Neste sentido, o cristianismo não sufoca só as mulheres, mas sufoca todo mundo. Todos que proclamam o nome de Cristo primeiramente morrem para si mesmos. Apenas quando a semente morre e é colocada no solo ela pode gerar uma nova vida.

    Promete a Sua Presença

    Mas junto com estas exigências, Deus promete a sua presença. Os Seus filhos nunca estão sós. “Eu nuca lhes deixarei ou lhes abandonarei,” Ele promete. Como Moisés disse, “Pois que grande nação há que tenha deuses tão chegados a si como o SENHOR, nosso Deus, todas as vezes que o invocamos? E que grande nação há que tenha estatutos e juízos tão justos como toda esta lei que eu hoje vos proponho?” (Deuteronômio 4:7-8).

    Esta proximidade de Deus é aumentada infinitamente quando Cristo quebra a barreira da separação causada pela queda. Esta proximidade é a pedra fundamental para a fidelidade Cristã. Sem a presença de Deus próxima de nós, os cristãos não poderiam ser mais fiéis às suas esposas do que qualquer outro povo.

    Deus Redime Homem e Mulher

    Se o pecado não tivesse chegado ao mundo, nós não teríamos que nos adaptar ao plano de Deus para nós vivermos com limitações. Pelo Contrario nós agiríamos de uma maneira completamente natural dentro dos moldes de compreensão. No entanto, o pecado escurece a nossa compreensão e endurece a nossa vontade, então nós buscamos a liberdade do que agora nós entendemos como restrição e cativeiro. Considere o endemoninhado Gadareno ao qual Cristo encontrou. Ele era perfeitamente livre para fazer o que ele quisesse. A sua loucura e sua força sobre humana o tornaram incontrolável. Ninguém poderia controlá-lo. Ninguém poderia aprisioná-lo. Ninguém poderia lhe dizer o que fazer. Ele nem se importava em usar roupas. Ele era absolutamente autônomo.
    Mas ele passava o dia gritando e se cortando, e ele vivia pelado no cemitério, uma imagem de miséria, raiva e insanidade. A sua autonomia total o levou a lugares solitários, como diz o texto de Lucas 8:29, e o privava de identidade, pois ele não podia responder o seu próprio nome
    (versículo 30). O apostolo Pedro, que testemunhou este fato, estava pensando neste homem quando escreveu as seguintes palavras: “prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção, pois aquele que é vencido fica escravo do vencedor” (2 Pedro 2:19)? Quando o endemoninhado Gadareno encontrou-se com Cristo, as forças do mal sabiam que elas tinham encontrado um rival à sua altura.
    A autoridade do filho de Deus arrancou aqueles demônios do homem e alcançou aquela bagunça de ser humano, resgatando o homem que foi feito a imagem de Deus. E que tipo de imagem nós temos quando Cristo terminou o Seu trabalho? Um homem sentado aos pés de Jesus, vestido e em sua total consciência. Um homem comissionado por Cristo para voltar para a sua casa e dizer o quanto Deus fez por ele.

    Está é uma posição privilegiada do cristão, por ser salvo da prisão da sua própria autonomia e se assentar aos pés de Jesus, vestido e com a mente sã, comissionado a contar as boas novas para a família e os amigos.
    É esta grande salvação que é a nossa verdadeira esperança. Sem isto nós bombeamos um pouco de fé, amor e sacrifício próprio da nascente natural de recursos morais do mundo, a qual parece estar se afundando a medida que se seca debaixo do sol quente da ira santa de Deus.
    Eu ouvi um comentário na PBS há alguns dias atrás sobre ecologia. A discussão foi tão longe que chegou a afirmar que o crime era devido à poluição. Embora eu não discuta a respeito dos efeitos cíclicos do crime e da poluição, eu acho que nós temos o contrário. O problema do mundo não é a poluição física da água, o que é só uma imagem da verdadeira tragédia. O verdadeiro problema é a poluição moral do homem na terra. Deus faz uma acusação: “Porque nela não há verdade, nem amor, nem conhecimento de Deus. O que só prevalece é perjurar, mentir, matar, furtar e adulterar, e há arrombamentos e homicídios sobre homicídios.”
    (Oséias 4:2). Colombina, o edifício federal em Oklahoma City, um presidente que da falso testemunho, “isto tudo depende do que você quer dizer com ‘é’.” O que acontece com uma cultura que segue este padrão? Oséias continua para mostrar os resultados: “Por isso, a terra está de luto, e todo o que mora nela desfalece, com os animais do campo e com as aves do céu; e até os peixes do mar perecem.” (Oséias 4:3).
    Então o que acontece com o pacto? Se Deus chegou a um acordo e a sua própria justiça é ultimo tribunal de apelação, que esperança nós temos de algum dia descobrir a verdadeira comunhão e a amizade uns para com os outros, sem falar em relação ao nosso Criador? “Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.” (Hebreus 10:31) “Quem dentre nós habitará com o fogo devorador? Quem dentre nós habitará com chamas eternas?”
    (Isaias 33:14)

    Ele não é instável

    No deserto seco, que nós vagamos perdidos e desesperados, nós temos uma pedra. Paulo diz que a rocha no deserto realmente “seguiu” o povo de Deus lhes dando água viva (1 Corintios 10:13). A mesma rocha na qual nos firmamos, também nos nutre e mata a nossa sede. Jesus Cristo provê a única terra firme, a rocha na qual nós podemos construir as nossas casas e casamentos.
    Ele nos dá proteção da ira de Deus. O Antigo Testamento mostra uma história de Deus fazendo um pacto com Abraão (Gênesis 15). Nesta cerimônia cultural de pacto, as duas partes deveriam andar entre animais que haviam sido cortados em duas partes. “Se nós não cumprirmos esta promessa, que nós sejamos cortados no meio como estes animais,” este era o sentido do ritual. Mas quando Deus faz um pacto com Abraão, só a Sua presença anda por entre os animais. Ele sozinho leva as conseqüências de nós quebrarmos o pacto. O sacrifício de Cristo na cruz e sua ressurreição nos dá um caminho de volta para a comunhão com Deus. O véu do santo dos santos, aquele lugar especial no templo, onde a presença de Deus estava representada, foi rasgado do alto para baixo. Deus se muda junto com o Seu povo. O caminho foi limpo. O escudo de calor de Cristo nos protege da ira santa de Deus. Ele vem para buscar e salvar os perdidos.
    O espírito que toca os nossos corações para nos dar fé em Cristo é a nova criação do sopro da vida que transforma corações de pedra em corações de carne e nos permite amar a Deus primeiro, amar os outros e ficar em paz com nós mesmos. Quando nós bebemos da água que Ele nos oferece, nós nunca temos sede novamente. Os homens encontram nele a humildade para serem misericordiosos, e líderes amáveis. As mulheres encontram nele o poder para serem fortes servas. As crianças encontram nele a fé para obedecerem a pais pecadores.

    Pessoal, Não Impessoal

    O Deus que nós servimos não é uma força impessoal ou algo imperativo moral e rígido. Ele se faz conhecido. Ele vem falar conosco. Ele se tornou carne, compartilhando a nossa fraqueza, corpos roubados pelo pecado. Jesus veio como carne, viveu conosco e sofreu tudo o que nós sofremos para que nós soubéssemos a extensão do Seu amor. Como Paulo coloca em Romanos 3:38, “Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”
    Este é o amor no qual o cristão baseia a sua vida. O sacrifício de Cristo pavimenta os nossos caminhos, até que o dia venha e está ordem que foi criada será mudada e o pecado não tem mais como se sustentar.

    Por Inteiro, Não por Partes

    Jesus redime o nosso corpo e a nossa alma. Ele é, em Sua ressurreição o primeiro verdadeiro homo noeticus. Aqueles redimidos pelo seu sangue formam uma nova raça para um novo mundo que está vindo. Nós não temos a ilusão de que os nossos corpos irão morrer, mas, como Paulo coloca, “Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia” (2 Cor 4:16). “Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo” (2 Cor. 4:8-10). A fé Cristã é realista e poderosa. Ela estimula a mente, gera alegria na união sexual, e permite que sofrimento e dor sejam instrumentos de poder e paz.

    Intimo, Não Solitário

    O plano de Deus para intimidade é totalmente preenchido em Cristo. Homem e mulher, como judeus e gentios, não têm barreiras de animosidade entre eles. O pecado é o que destruiu a prazerosa intimidade entre Deus e sua criação. E também destruiu a comunhão porá entre Adão e Eva. Ao invés de uma companhia íntima eles receberam a maldição da luta e competição no seu relacionamento. Eva que “ter” Adão (assim como o pecada rastejava até a porta para ter Cain – Gênesis 4:6). Adão irá “dominar” Eva ao invés de se importar com o seu bem estar. O relacionamento entre os sexos e nas famílias é imediatamente corrompido produzindo luta, competição, inveja, e assassinato (Cain e Abel). Mas Deus vem para buscar Adão e Eva e para prover a eles uma cobertura para os seus pecados. Ele inicia o primeiro sacrifício e os cobre com pele de animais.
    Deus restaura a intimidade com o seu povo, e apesar de nós vivermos em uma situação de “já estamos e ainda não” (já estamos redimidos, e ainda não estamos em posse dos nossos novos corpos; já estamos resgatados, e ainda não afastados do alcance da voz do inimigo; já estamos perfeitos em Cristo, e ainda não acabamos com a nossa velha natureza pecaminosa), um dia nós veremos a Deus face a face e viveremos com Ele eternamente. O poder da morte de Cristo e ressurreição dá a homens e mulheres o poder para restaurar relacionamentos assim como Deus tinha intenção que eles fossem no casamento, e de fato que fossem além das estruturas criacionais
    e fossem para as primeiras explorações das estruturas da nova-criação.

    A Mulher no Pacto

    Eu estou sendo muito teológica e não falei muito a respeito da mulher. Mas isto foi de maior importância para descrever o contexto da minha perspectiva do mundo. Com isto, você verá e compreenderá a minha posição com a mulher. Eu sei que tanto faz se eu for de Marte ou Vênus, a minha perspectiva do mundo certamente será estranha para você, a menos que você seja da família do Rei. Eu era uma estranha em Wellesley nos anos 60 e eu tenho certeza que eu ainda pareço uma estranha para vocês hoje. Mas para explicar para vocês porque eu escolhi a vocação de esposa e mãe, eu tive que lhes dar uma visão mais ampla.
    Quando eu cheguei na faculdade de Wellesley aos 17 anos eu já tinha toda a minha carreira planejada, eu queria ser esposa de pastor, criar filhos e amá-los, para dar apoio e encorajar um bom homem em seus esforços para servir a Cristo. Eu ansiava por ter a melhor educação possível, para usar a minha mente com toda a sua capacidade neste chamado e para que eu pudesse me apoiar se o Senhor decidisse que eu deveria ficar solteira.
    Eu conheci o meu futuro marido no primeiro semestre da faculdade. Eu fiz uma matéria extra a cada período e me formei em janeiro do meu ultimo ano de faculdade. Nós nos casamos em 30 de janeiro de 1971 e nós estamos casados até hoje, 29 anos depois. Eu tenho sete filhos de 12 a 27 anos e tenho três netos. Eu nunca me arrependi da escolha que eu fiz. Entretanto não seria verdade dizer que eu nunca fui tentada pelos sussurros feministas a minha volta. “Filhos são maravilhosos”, eu digo isto a mim mesma de vez em quando,” Mas se você fosse muito disciplinada para escrever, você poderia ter escrito um romance melhor do que este.” E eu começo a imaginar que eu escrevi um livro que realmente influencia. Na ocasião, eu fui levada por vários estímulos mentais a descobrir o valor real.
    Algumas vezes eles tem se encaixado nas nossas estruturas familiares muito bem, e tem provado ser bons e próprios. Algumas vezes eles eram os cochichos do convencimento.
    Olhando para trás nestes vinte e nove anos de vida conjugal, eu posso fazer um estoque do meu sucesso, estes são o tipo de coisa que eu poderia colocar no meu currículo: Eu ajudei a começar uma escola cristã, eu desenvolvi um método efetivo de comunicação com surdos, muito conhecido e popular na França, dei aulas em um jardim de infância, na sétima serie, dei aulas de educação física em uma escola para garotas delinqüentes, tive um discurso indicado em um programa de graduação para terapeutas de comunicação e me formei em técnicas de escrita em um seminário, eu tenho escrito e produzido várias peças teatrais para escolas cristãs e igrejas, fui funcionária de várias organizações, publiquei artigos e um romance, fiz a edição de uma dúzia de livros teológicos e projetos de doutorado, e falei em vários retiros e encontros de mulheres. Entretanto, meu verdadeiro currículo, aquele que Deus estará segurando quando eu me encontrar com Ele, terá uma lista diferente de realizações no total.
    Das realizações do currículo do meu marido podem haver algumas coisas que estarão no meu currículo de verdade, mas a maioria é nada em comparação com o valor de gerar, nutrir, cultivar, ensinar, amar e educar sete fabulosas, intrigantes e compensadoras imagens de Deus, e ter ajudado a formar a imagem de Cristo em meu marido.

    A alegria de rir sob uma xícara de chá, de resolver um conflito, de ver uma criança liberta das garras da tentação, de ouvir a minha família cantar ao redor da mesa, de ver as travessuras dos meus netos, de ver o meu marido e os meus filhos saírem de casa encorajados, protegidos, e capazes de proclamar as maravilhas do nome de Deus a aqueles que estão ao redor deles – tudo isto através dos toques ministeriais que Deus tem dado a eles através de mim – estas são alegrias acima de qualquer comparação.

    Eu firmemente recomendo o chamado de esposa e mãe. Se você quer ter o desafio de aprender habilidades administrativas, ter que tentar organizar a vida de nove pessoas vivendo todas debaixo do mesmo teto. Se você quer aprender psicologia, sente-se e escute a cinco filhas comentando dos pros e contras de um rapaz em particular que elas conheceram. Se você quer entender o poder da espiritualidade, encare uma menina rebelde de doze anos que se posiciona audaciosamente a sua frente e diz, “NÃO!” Que poder você tem sobre o coração dela? Só através de oração e fé, porque só Deus pode mudar um coração. Você quer um desafio intelectual? Tente explicar sobre a energia atômica para o seu filho de quatro anos. Você quer aprender sobre lingüística ou educação especial? Tente ensinar inglês e francês para uma criança de dois anos totalmente surda. Você quer desenvolver características como misericórdia, paciência, e sabedoria? Então feche a sua boca e escute as dores do seu marido quando ele está passando por uma mudança na sua carreira. Você quer ter um circulo de amizades intimas? Encontre quatro mulheres que gostam de você e ore com elas todas as segundas feiras por duas horas.
    Quando eu perco esta satisfação de vista, ou quando ela não é o suficiente para me fazer feliz por ter escolhido a esta carreira, eu imagino aquele dia que estarei frente a frente com o “tribunal de Cristo,” assim como todos nós faremos, “para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (2 Cor. 5:10). Neste dia, eu terei, pela graça sustentadora de Cristo, o êxtase supremo de ouvir do meu Salvador diretamente,

    Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me… Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes (Mateus 25:34-36,40).

    Eu não estou sempre certa do que significa ser uma mulher. Eu tenho lutado com as minhas próprias expectativas, as do meu marido e as da sociedade ao meu redor. Eu tenho olhado para as escrituras, que me diz que santidade deve ser mais importante do que beleza, mas o que significa que eu devo colocar ter o meu corpo feminino e o seu poder de sedução como um bonito presente no meu relacionamento com meu marido. Como outras mulheres, eu tenho lutado com estas coisas. E o meu marido tem lutado para amar o meu corpo em particular, ao invés desejar alguma foto de revista, ou o corpo de uma outra mulher. Nós dois pedimos a Deus para aumentar o nosso romance com a simples conclusão que eu sou muito feminina porque eu sou mulher, criada a imagem de Deus. E eu devo evitar a tentação de impor ao meu marido alguma imagem ideal do que é ser masculino. Ao invés disso eu escolhi amar um homem especifico que é o meu marido, e eu deixo esta parte de se conformar com a imagem do outro ao poder do Espírito. Não é função do meu marido Peter me fazer conformar com a sua imagem, nem é minha função de fazê-lo se conformar coma minha imagem. Ao invés disso é trabalho para o Espírito Santo nos conformar cada um, homem e mulher, com a imagem de Cristo.

    Em Um Relacionamento de Compromisso com Deus

    Planejados a Imagem de Deus

    O meu primeiro dever como mulher é para com o meu Marido Celestial, para Ele que redimiu a igreja. Se eu desenvolver a minha compreensão do meu relacionamento com Deus, eu me tornarei mais e mais feminina. Eu sou feita a imagem de Deus, uma mulher a imagem de Deus.

     
  62. Daladier Lima

    2 setembro, 2008 at 12:43 pm

    Gostaria de lhes indicar meu novo post sobre o ministério feminino. Visite o blog Reflexões Sobre Quase Tudo e confira!

    Desde já obrigado!

    Daladier Lima

     
  63. Maria Bernadete de Mello

    22 setembro, 2008 at 7:00 pm

    Um voto de louvor a todas esposas de pastores, que muitas vezez sem nome, sem vontade ou sentimentos, tem se dedicado a familia e a igreja com tanto esmero e
    dedicação sem ao menos muitas vezes serem lembradas ou vistas como servas ,
    obreiras e talentosas Pastoras tanto quanto seus amados esposos, com algumas
    diferenças sem honorários mas realizado com tanto amor, que o maior honorário é
    o reconhecimento e o afeto do seu amado que quase sempre é visto na lágrima sal
    gada que caí…. Que alegria e que alívio para todas…adereçada como uma esposa
    para seu marido … e uma grande voz do céu….Deus limpará dos seus olhos toda a
    lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as
    primeiras coias são passadas. (Apocalipse 21.1-4)

    Missionária Maria Bernadete de Mello
    Terapeuta- Plantadora de Igreja
    Presbiterio de Campo Grande -MS-PCGE
    Responsável pela Congregação de Paranaiba -MS.
    Sinodo MS

     
  64. Rev. Manoel Compasso

    24 outubro, 2008 at 8:10 pm

    A justificativa de muitos que defendem a ordenação de mulher ao pastorado é fraca e sem sentido, a mulher tem o seu lugar na igreja com toda certeza mas certamente não é o lugar onde Deus não a colocou. Uma mulher que quer ser obediente a Deus ficará feliz em ocupar o lugar que o SENHOR ordenou nas SAGRADAS ESCRITURAS.

     
  65. Anônimo

    3 novembro, 2008 at 9:35 am

    Pastores,

    Há muitas almas a salvar. Há muitas pessoas indo pro inferno. Saiam de tràs do computador e caiam em campo. Fico impressionado com a quantidade de pastores que gastam muito tempo nessa discussão, com textos extensos e muito lero lero. A SE poderia se preocupar em fornecer elementos para evangelização, diretrizes coorporativas de trabalho integrado, projetos coorporativos de plantação de igrejas, estratégias de priorização de trabalhos de expansão, etc. Não ficar criando espaços para discussões que não agregam uma alma ao Reino de Deus.

     
  66. Dra Maria de Fátima Lima Ferreira

    29 novembro, 2008 at 10:31 am

    Amados irmão, que a paz de Cristo esteja com todos nos, nestes momentos dificeis que o mundo passa, tenho certeza absoluta que nosso Deus generoso e benevolente, cheio de graça não faz acepção de generos, raças ou nações, é que as mulheres sempre estiveram ao lado de nosso Cristo e que deus tem um lugar especial para cada uma delas, não cabe a nós seres humanos falhos e imperfeitos querermos julgar os julgamentos divinos e determinar normas para as mulheres seguirem, quem determina tudo é deus ao que eu saiba, mulheres fieis, honradas, honestas, que servem ao Senhor e não as igrejas, mas o tempo passa é as mentes humanas não evoluem e crescem continua os preconceitos, não há evolução na mente humana, tenho certeza que Deus um dia mostrara o quão errado é estes julgamentos de seres tão perfeitos da raça humana, porque não se ordenar diaconizas, pastoras, o que os impedem, medo!!!!!, fundamentação biblicas temos vários Rev. que se posicionam contra, argumentos plausiveis, porém não conclusivos, gostaria de ver as faces de voces quando nosso Deus voltar, cuidado ele voltará, e tenho certeza nos mulheres deste século estaremos esperando por esta reviravolta e preparadas para recebe-lo, quanto a voces, deverão repensar muitos posicionamentos abordados por todos estes emails lidos, algo realmente para se reletir , que Deus nos guie e abençõe Fátima

     
  67. BathWillate

    1 dezembro, 2008 at 6:54 pm

    I am here at a forum newcomer. Until I read and deal with the forum.
    Let’s learn!

     
  68. Payoleada

    17 dezembro, 2008 at 4:58 pm

    Goodday I’m new here
    And it looks like a great forum, so just wanted to say hello! :):):)
    And looking forward to participating.
    Going on vacation for a few days, so i’ll be back

     
  69. josue

    26 dezembro, 2008 at 4:15 pm

    Na realidade vemos mulheres liderando na Biblia, desde o Antigo como no Novo Testamento. Agora os judeus eram e são maxistas e hoje vivemos em uma sociedade que tem rompido com estas dificuldades. Portanto vemos nos seminários o maior número de alunos são mulheres, nas igrejas são mulheres e não adianta querendo ou não a maioria sempre vence. Mulheres se preparam estudem e vão fazer o que Jesus sempre quiz que fizessem preguem, cantem. ganhem alamas pra Jesus. Hoje na sociedade as mulhes são profissionais liberais, militares, governantes, porque também não podem ser ministras. O que importa é que Deus os use.

     
  70. idendyquapiny

    21 janeiro, 2009 at 10:30 pm

    Nothing seems to be easier than seeing someone whom you can help but not helping.
    I suggest we start giving it a try. Give love to the ones that need it.
    God will appreciate it.

     
  71. SJCRC

    25 janeiro, 2009 at 7:38 pm

    Líderes da Igreja Presbiteriana do Brasil
    Bom dia.

    Quero parabenizar a IPB pela organização na realização do Censo. Sou membro da Igreja Presbiteriana há anos e tenho observado que o crescimento da mesma está diminuindo. Creio que o senso irá apresentar os números corretos e direcionar a amada igreja rumo ao crescimento.
    Cito como exemplo a igreja situada no Sul de Minas Gerais, próximo a cidade de Passos-MG. A SAF,UPH e UPA está inativa, a terceira idade está abandonada, no sábado não há trabalhos com os jovens e adolescentes, há anos não há encontros de casais, o número de presbíteros não é suficiente; o salão que seria útil para reuniões, café, teatro e confraternizações, a muito tempo está fechado, trabalhos na igreja apenas no domingo e na quinta-feira, há uma igreja(congregação) num bairro carente da cidade, abandonada e se deteriorando, almas estão sedentas, nos bons tempos havia um trabalho social muito bom mas acabou.
    O pastor está aproximadamente 15 anos no pastoreio e parece que não está conseguindo fazer pelo menos um bom trabalho não há crescimento. Creio que está havendo uma “política” dentro da igreja, ou o presbitério não está visitando, fiscalizando,velando, examinando os relatórios devidamente.
    Peço aos líderes em nome de Jesus que orem e olhem por nós, há ovelhas perdidas, feridas, abandonadas, precisando de carinho apoio, VISITAS, precisando de amor.
    A igreja é a menina dos olhos de Deus, precisamos de mudanças e deixar o comodismo de lado e trabalhar, a igreja é muito bonita, bem localizada, fica no centro da cidade de Cássia-MG, tenho certeza que o pastor (líder) recebe um ótimo salário e o mesmo está sempre em dia.
    Estimados líderes, peço que recebam este e-mail com amor, e que o Espirito Santo toque em vossos corações.

    Atenciosamente:

    SJCRC

     
  72. Anderson

    17 fevereiro, 2009 at 5:42 pm

    Sou a favor da ordenação de diaconisas.

    Mas não sou a favor da ordenação de presbiteras e pastoras.

     
  73. Fernando Jordão

    1 abril, 2009 at 1:29 pm

    Caro Rev Ludgero

    Precisamos de artigos novos, visto que este já foi esgotado na palestra de Liderança Masculina do Rev. Augustus Nicodemos.

     
  74. Filipe

    16 abril, 2009 at 3:36 pm

    Eu prefiro o velho exemplo do Senhor Jesus que chamou 12 homens para prepará-los a fim de levarem a diante sua gloriosa missão (Espero que as mulheres não chamem Jesus de machista!!)

     
  75. Cristiano

    27 maio, 2009 at 3:26 pm

    Parabéns pela iniciativa da IPB em debater abertamente um tema que tem dividido a Igreja de Cristo. Que a IPB e seus membros sigam sempre firmes em utilizar a Palavra de Deus como sua referência, e não a nossa cultura e/ou modismos de massa.

    Expresso minha alegria e minha gratidão. Este canal de debates, de alto nível, serviu muito para meu aperfeiçoamento.

    Em Cristo,

    Cristiano.

     
  76. Luciane Peressin

    2 julho, 2009 at 2:07 am

    Não é por acaso que a IPB, só diminui a cada ano!!!!!!!!! Quem aguenta esse povo!!!!!!!!Nem Deus dá conta….
    Porque Deus colocou o Dom pastoral em algumas mulheres( que isso fique bem claro )?, deu o Dom de pregar?, de liderar?, de fazer tudo o que os homens fazem? É prá servir a Deus não precisa de titulos, mas se não os tiver o salário é metade né.
    Tudo não passa de grande cinismo, fiquei 5 anos há frente de uma Igreja, pregava, era responsável por tudo, pastoreava de casa em casa, a igreja era frequentada por 15 pessoas hoje são 70, mas na reunião do Presbitério não podia falar nada, não decidia nada, não era nada. Não tem direito nenhum e fora o salário que ganhava metade lógico porque era mulher… Essa Igreja já passou da hora de rever muita coisa e criar vergonha na cara, pois a grande verdade é uma só a IPB não passa de uma Igreja atrasada, cheirando naftalina e se achando a dona da verdade. Um monte de pastor sem chamado, as igrejas se acabando, presbiteros politiqueros ( os de Brasilia perde de longe prá alguns), cada um buscando seu próprio interesse isso é IPB

     
  77. Rev. Antonio Moreira

    26 agosto, 2009 at 11:24 pm

    Sou de São Paulo. O pensamento por aqui a esse respeito ainda é de discriminação e conservadorismo. Eu acredito seria uma boa ordenação feminina. Primeiro começando com “diaconiza”.
    Lamentavelmente a IPI está na frente da ipb em suas posições e sem falar da Presbiteriana Renovada. Na renovada Pastor e Evangelista não fica sem campo. Só sai é dispensado se tiver campo. Quanto a ipb, continua enviadno pessoas para o seminário, sendo que não tem mais onde colocar essa turma. E ficamos numa disputa anti-Deus e quem tem levado o liderança a pecar.
    Sem falar que a ipb está criando uma industria de pastores e esposas de pastores feridos e machucados, pois, seus conselho estão

    Lamentavelmente a IPB está engessada! Está presa a tradições e alzinhos os judeus na época de Jesus.
    Lamentavelmente sacralizamos muitas coisas.

    Bem, talvez se tivessemos ordenação de presbitera qem sabe acabaria-se mais com a politicagem.

    Algumas coisas contraditórias:
    1- Pregamos que as nossas crianças faz parte do pacto da graça, mas, são impedidas de tomar a ceia.
    2- Não batizamos os batistas qdo vêm para nossa igreja aceitando assim seu batismo. Porém, não abrimos mão para o próprio fiel escolher a forma de batismo. Acho que as vezes somos hipocritas!

    O que precisamos é fazer uma ponte. A ipb nao tem contextualizado. A leitura que faço do futuro da ipb é uma igreja rachada e dividida. Precisamos ser coerentes. O mundo está evoluindo e as pessoas também. Porém, nós temos ficado atrazados.
    Se Calvino visse a ipb hoje, pega um azorrague e coloca uma turma para correr. Qto a Jesus, tem tido muita misericorida dessa igreja.
    Amamos a IPB, porém, Deus em Sua Soberania, está perando a liderança. Cuidado!

     
    • CarlosLysias

      8 setembro, 2009 at 8:42 pm

      Amado Rev. Antonio Moreira.

      Minha amada e ja falecida mae, acompanhou meu querido, tambem ja falecido, por mais de 40 anos , no seu Pastorado. Seu participacao , foi fundamental, no trabalhos por onde, nos moravamos.
      Cidades no interior de Minas Gerais, que poucos pastores se sujeitam a pastorear.
      Conservadorismo,é exatamente o que estáo fazendo as seitas neo pentecostais, que estao resgatando , pra dentro das das igreja ,que procuram conservar o puro evangelho.
      O mais grave,é que as igrejas pentecostais, assimilaram com facilidade, um monte de babozeiras, pra lotar igrejas.
      Lembras quando sr silas, na decada de 80, induzia seus suditos da assembleia de Deus, que Televisao , era coisas do diabo, hoje o OME ,nao sai dela.
      Amado Pastor, rachado e dividido, está o cristianismo, por exatamente essa falta de vergonha, e de olhos para o pragmatimo reigioso,
      causado pelo avanço das seitas, neo pentecostais, pentecostais da tercira onda, e pelos responsaveis , que mais criticaram a IPB, por perderem o controle de sues suditos,permitindo-os, de falarem besteras, sem limites.

      PS. Jesus voltará mais cedo, com a ordenação de mulhes, como a inlustrissima apostala da seita renascer?

      QUe Deus nos abençoe.

      Carlos Lysias

      carlosysias@terra.com.br

       
  78. lindheriin mtro

    28 outubro, 2009 at 7:41 am

    A questão se mulheres podem ou não ser ordenadas, como pastoras, presbíteras ou diaconisas tem ocupado o centro do debate em diversas denominações.

    Entre os evangélicos existem, de forma muito geral, duas posições básicas quanto ao assunto: os igualitaristas e os diferencialistas. Os igualitaristas afirmam que Deus originalmente criou o homem e a mulher iguais; a subordinação feminina foi parte do castigo divino por causa da queda, com conseqüentes reflexos sócio-culturais. Em Cristo, essa punição (e seus reflexos) é removida; assim, com o advento do Evangelho, as mulheres têm direitos iguais aos dos homens de ocupar cargos de oficialato na Igreja.

    Os diferencialistas, por sua vez, entendem que desde a criação — e portanto, antes da queda — Deus estabeleceu papéis distintos para o homem e a mulher, visto que ambos são peculiarmente diferentes. A diferença entre eles é complementar. Ou seja, o homem e a mulher, com suas características e funções distintas, se completam. A diferença de funções não implica em diferença de valor ou em inferioridade de um em relação ao outro, bem como as conseqüentes diferenças sócio-culturais nem sempre refletem a visão bíblica da funcionalidade distinta de cada um. O homem foi feito como cabeça da mulher — esse princípio implica em diferente papel funcional do homem, que é o de liderar. Não implica que o mesmo é superior à mulher, em qualquer sentido. Assim, os diferencialistas mantém que diferença de papéis e igualdade ontológica (do ser) são duas verdades perfeitamente compatíveis e bíblicas, enquanto que os igualitaristas afirmam que diferença de papéis implica inevitavelmente em julgamento de valor. A questão tem chegado aos evangélicos no Brasil, embora, por enquanto, com menor intensidade, e sem que evangélicos, de um lado ou de outro, tenham formalmente se organizado de acordo com suas convicções neste sentido.

    O que nos preocupa é que a pergunta “Podem mulheres ser ordenadas para servir como pastoras, presbíteras e diaconisas” nem sempre tem sido respondida em termos de exegese bíblica das passagens do Novo Testamento que estão diretamente relacionadas com o assunto.

    Meu propósito neste artigo é alistar e examinar, mesmo que brevemente, as passagens do Novo Testamento que não podem ser ignoradas no debate sobre ordenação de mulheres ao oficialato eclesiástico.

    Meu alvo é demonstrar que, se interpretarmos estas passagens partindo de uma hermenêutica reformada, e se deixarmos a Escritura ter a palavra final sobre o assunto, evitaremos os extremos dos que proíbem o que Deus não proibiu, e dos que querem que a Igreja adote aquilo que Deus não permitiu.

    A. Romanos 16.7
    Às vezes é defendido por igualitaristas que havia mulheres na Igreja primitiva que funcionavam como apóstolos. A passagem usada para avançar este ponto é Romanos 16.7, onde Paulo, em sua saudação à Igreja de Roma, menciona uma pessoa por nome Júnias:

    Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e companheiros de prisão, os quais são notáveis entre os apóstolos, e estavam em Cristo antes de mim (Rm 16.7).

    Os defensores desta tese argumentam que Júnias é um nome feminino, e que a mulher com este nome era uma “apóstola”, em pé de igualdade com Andrônico. Do ponto de vista dos defensores da ordenação feminina, a passagem prova que Paulo reconhecia que uma mulher pode exercer uma posição de autoridade sobre homens na Igreja apostólica. E se elas eram admitidas ao apostolado, obviamente o eram a cargos eclesiásticos, como presbiterato e pastorado.

    Mas não é tão simples assim. Há várias questões relacionadas com a interpretação deste texto. A primeira questão depende da solução de um problema textual.(6) Existem três variantes do nome Júnias nos manuscritos gregos de Romanos 16.7. As duas primeiras divergem quanto à acentuação da palavra Júnias no grego: (1) Iounia=n, que seria o acusativo de Iounia=j, (Júnia) masculino; (2) Iouni/an, que seria o acusativo de Iouni/a, (Júnia) feminino. A terceira variante é Iouli/an, que corresponderia ao feminino Júlia.

    A segunda questão depende da interpretação da expressão “notável entre os apóstolos”. Significa que Júnias era um dos apóstolos, já antes de Paulo, e um apóstolo notável? Ou apenas que os apóstolos, antes de Paulo, tinham Júnias em alta conta? As questões mencionadas acima são complexas, e sem respostas definitivas. Examinemos uma a uma.

    1. Júnias é masculino ou feminino?
    A variante melhor atestada, segundo o texto grego da UBS, 4a. edição (e de Nestle-Aland, 27a. edição), é Iounia=n , acusativo de Júnia, masculino (atestada pelos manuscritos ) A B* C D* F G P, embora sem acentos). A variante (Júlia) é fracamente atestada, aparecendo apenas no p46 e em algumas versões antigas.

    Numa pesquisa feita por computador nos escritos gregos existentes desde a época de Homero (século 9 A.C.) até o século 5 D.C. foram achadas apenas três ocorrências do nome Júnias, além de Romanos 16.7. Plutarco cita uma irmã de Brutus, chamada Júnias; Epifânio, o bispo de Salamina em Chipre, menciona Júnias de Romanos 16.7 como sendo um homem que veio a ocupar o bispado de Apaméia da Síria; e João Crisóstomo se refere a Júnias de Romanos 16.7 como sendo uma irmã notável até mesmo aos olhos dos apóstolos.(7)

    Os resultados são inconclusivos. Parece evidente que Júnias era nome tanto de homem quanto de mulher no período neo-testamentário. O problema é que não sabemos em que gênero Paulo o usou em Romanos 16.7. Isto explica o surgimento de variantes divergindo na acentuação, e o surgimento da variante , que é claramente uma tentativa de resolver a ambigüidade.

    Se tivermos de tomar uma decisão, devemos dar mais peso à palavra de Epifânio, pois ele sabe mais sobre Júnias do que Crisóstomo, já que informa que Júnias se tornou bispo de Apaméia. Concorda com isto o testemunho de Orígenes (morto em 252 d.C.), que num comentário em latim à carta aos Romanos se refere a Júnias no masculino.(8)

    Nomes gregos masculinos terminando em -aj não são incomuns, mesmo no Novo Testamento: André (Andre/aj, Mt 10.2), Elias (Eli/aj, Mt 11.14) e Zacarias (Zaxari/aj, Lc 1.5).(9) Para alguns comentaristas, Júnias é a abreviação de Junianius, um nome masculino — mas não há evidências claras disto. A conclusão é que não podemos saber com certeza se Júnias era uma mulher — mais provavelmente era um homem. É por isto que a maioria das traduções modernas, onde possível, traduzem Júnias como masculino (e não Júnia, feminino).(10)

    2. Era Júnias um(a) apóstolo(a)?
    Mais uma vez perguntamos, é possível termos uma resposta definida para a pergunta “era Júnias um(a) apóstolo(a)?” Gramaticalmente, a expressão “os quais são notáveis entre os apóstolos” (oi(/tine/j ei)sin e)pi/shmoi e)n toi=j a)posto/loij) tanto pode indicar que Andrônico e Júnias eram apóstolos, quanto que eram tidos em alta conta pelos apóstolos existentes. E mesmo que aceitemos que eram apóstolos, ainda resta o fato de que a palavra apóstolo no Novo Testamento é usada, não somente para os Doze, para Paulo, e para algumas pessoas associadas a ele, como Barnabé, Silas e Timóteo (cf. At 14.14; 1 Ts 2.6), mas para mensageiros e enviados (este é o sentido primário de a)po/stoloj) de igrejas locais, como Epafrodito (Fp 2.25) e uns irmãos mencionados em 2 Coríntios 8.23. Estes não parecem exercer governo ou autoridade sobre as igrejas locais, eram simplesmente enviados por elas. Portanto, se Andrônico e Júnias eram apóstolos, deveriam pertencer a este tipo de mensageiros das igrejas locais, com um ministério itinerante. Estes “apóstolos” não tinham autoridade de governo em igrejas locais; antes, eram enviados por elas para desempenhar diferentes funções como representantes ou emissários.

    Em última análise, só podemos afirmar com certeza, a partir de Romanos 16.7, que, quem quer que tenha sido, Júnias era uma pessoa tida em alta conta por Paulo, e que ajudou o apóstolo em seu ministério. Não se pode afirmar com segurança que era uma mulher, nem que era uma “apóstola”, e muito menos uma como os Doze ou Paulo.(11)

    A passagem, portanto, não serve como evidência bíblica para a ordenação feminina no período apostólico. E essa conclusão está em harmonia com o fato de que Jesus não escolheu mulheres para serem apóstolos. Não há nenhuma referência indisputável a uma “apóstola” no Novo Testamento.(12)

    O meu alvo neste artigo foi demonstrar a importância de levarmos em conta o ensino do Novo Testamento no debate acerca do ministério feminino ordenado. A nossa análise das passagens mais usadas para defender a ordenação de mulheres ao presbiterato ou pastorado demonstrou que elas não dão suporte às pretensões do programa igualitarista, embora certamente nos ensinem que devemos encorajar e defender o ministério feminino em nossas igrejas. Por outro lado, nossa análise das três principais passagens usadas como evidência de que Deus não intentou que as mulheres cristãs ministrassem nas igrejas aos homens, de uma posição de autoridade, quer ensinando-os ou governando-os, mostrou que a interpretação diferencialista destas passagens encaixa-se nos seus contextos, honra à aplicabilidade dos princípios bíblicos para nossos dias, e responde satisfatoriamente às objeções.

    Minha conclusão é que não há respaldo bíblico suficiente para que se recebam mulheres ao pastorado, presbiterato ou bispado de igrejas cristãs locais, onde irão, como tais, presidir, governar, e ensinar doutrina aos homens. Na realidade, as evidências bíblicas apontam em outra direção. Estas passagens não podem ser ignoradas pelos que almejam o ministério ordenado de mulheres nas igrejas evangélicas do Brasil. Somente com as ferramentas da crítica bíblica radical, que abstraem estas passagens dos manuscritos, isolam-nas da realidade atual das igrejas, e domesticam o poder de suas implicações, é que se pode contornar o seu ensino óbvio.

    Uma palavra final. Os presbíteros exerciam a autoridade e o governo nas igrejas, mas não eram absolutos. Poderiam ser repreendidos, se falhassem (1 Tm 5.19-20), e deveriam exercer sua autoridade não como dominadores, mas como exemplos (1 Pe 5.5). Sua autoridade era limitada pelo ensino de Jesus e dos apóstolos, que hoje se encontram nas Escrituras. Não poderiam ir de encontro a este ensino, como hoje presbíteros, conselhos e concílios em geral também não podem. Nenhum concílio eclesiástico, argumentando a partir das mudanças sociais do tempo presente, tem poderes para ir além da Escritura, ou contradizê-la, ordenando mulheres como presbíteras, pastoras ou bispas.

     
  79. offizeswoms

    13 dezembro, 2009 at 9:33 pm

    Hey Hey,

    My name is Gary, I just wanted to introduce myself since I am new to these forums…

    I am a rookie to the internet but I am learning alot real fast!

    I’m a Hair-sample Matcher and devoted father.

    The things I like most in life are family, friends and nascar.

    On week days you’ll usually find me working. On the weekends I like to party and enjoy the outdoors.

    My idea of the perfect day would start with sleeping in. And then I’d go to the drag races. Later I’d eat a great dinner from uGO FlameDisk. And I’d top it all off by snuggling with my lover.

    I also love hip hop videos.

    Anyways it’s wonderfull to be a part of your site!

    Thank you

     
  80. Monoel

    23 dezembro, 2009 at 11:51 am

    Creio que não é a questão de liberar ou proibir a ordenação feminina,mas por princípio o ministério oficial é masculino,creio também que temos muitas mulheres abençoadas no nosso meio,que pregam e ensinam muito bem, mas isto não lhes dão o direito de ser(oficial)episcopisa,diaconisa ou pastora,porque o princípio é masculino. Já pensou se um homem quisesse ser mãe, uma mulher ser pai? ele pode até fazer o papel de mãe a mulher fazer o papel e pai,porem isto não lhes dão direitos de ser pai ou mãe,porque o mesmo principio é: mãe é feminino e pai masculino, não tem como pensar diferente. As mulheres tem tabalhado muito e não vão deixar de fazê-lo por questões de pensamento feminista, porque elas são femininas e não feministas. Assim creio. Um abraço e que Deus vos abençoes.
    Amo a IPB e sei que Deus está no controle de todas as cousas.

     
  81. Anônimo

    7 janeiro, 2010 at 12:02 pm

    MEU NOME É ADELLE VAZOLER GUIMARÃES, SOU MEMBRO DA IGREJA PRESBITERIANA HÁ 74 ANOS, TENHO AGORA 94 E ATUALMENTE SOU MEMBRO DA IGREJA PRESBITERIANA DE GUARAPARI.SOU A ÚNICA FUNDADORA VIVA DA IGREJA PRESBITERIANA DE CASTELO, ESPIRITO SANTO.NOS IDOS DA DÉCADA DE 30 COMO NOSSA IGREJA TINHA POUCOS HOMENS, NÓS MULHERES FAZÍAMOS PARTE DO CONSELHO DA IGREJA PRESIDIDO PELO REVERENDO JADER COELHO.NESSAS REUNIÕES DECIDÍAMOS EM CONJUNTO COM OS PRESBÍTEROS DA IGREJA ASSUNTOS COMO:CULTOS, REUNIÕES , VISITAÇÕES,AQUISIÇÕES,PROBLEMAS DA VIDA DA IGREJA.LEVÁVAMOS A CEIA PARA OS DOENTES E ÉRAMOS TESOUREIRAS DA IGREJA E SECRETARIAS DO CONSELHO(JÁ QUE A MAIORIA DOS PRESBÍTEROS NÃO TINHA INSTRUÇÃO, (ALGUNS NEM SABIAM ESCREVER).QUANDO NÃO TÍNHAMOS PASTORES,DIRIGÍAMOS O CULTO,O QUE ERA MUITO FREQUENTES.ENFIM NÓS MULHERES ÉRAMOS A VERDADEIRA LIDERANÇA DA IGREJA.SENDO A IGREJA ELOGIADA NAS REUNIÕES DO SÍNODO E PRESBITÉRIO COMO IGREJA PADRÃO POR SUA ORGANIZAÇÃO.
    HOJE VEJO COM TRISTEZA QUE AS MULHERES PRESBITERIANAS POUCO EVOLUIRAM NAS POSIÇÕES DE LIDERANÇA NA IGREJA.
    CREIO QUE JÁ PODÍAMOS TER MULHERES PASTORAS, PRESBÍTERAS E DIACONISAS.AS MULHERS HÁ MUITO JÁ DESEMPENHAM ESTAS FUNÇÕES SEM O DEVIDO RECONHECIMENTO.
    PEÇO A DEUS ESCLARECIMENTO À LIDERANÇA DA IGREJA SOBRE ESSE ASSUNTO.
    SAUDAÇÕES EM CRISTO ADELLE

     
  82. Edson Ferreira - Suzano

    11 janeiro, 2010 at 6:03 pm

    Caros irmãos,

    Em primeiro lugar gostaria de expressar meu espanto em ver tantos oficiais da IPB divergindo opniões pois estamos debaixo da mesma bibli, mesma teologia evangelica protestante reformada calvinista, isso so demostra a falta de conhecimento de nossos catessismos.

    Em segundo lugar gostaria de deixar claro que alem de encontrar divergencia em pontos que são obsolutos e não relativos, fico preocupado com a saude da igreja, pois o que mais se lê são achismos, eu acho, eu acredito, eu defendo………… para as coisas de Deus não há espaços para achismos devemos nos ater a palavra……… somos uma igreja reformada, pela graça e misericordia de Deus temos um catecismo, constituição, manuais, as institutas de calvino, muitas literaturas maravilhos e o mais importante, temos a voz de Deus, porem se ficarmos olhando a partir de uma perspectiva do que eu acho, da minha grande experiencia ou de qualquer visão que não seja cristocentrica, certamente chegaremos em erro. Vamos para de pegar frases isoladas para defender ideias, vamos nos apropriar a teologia reformada e estudar a palavra de Deus, esta na hora da IPB (membros) criar vergonha na cara e assumir sua identidade reformada calvinista, e caso alguem não acredite ou mesmo tenha uma posiçã teologica diferente, fique a vontade para procurar um grupo que mais se enquadra, creio que não é vontade so Supremo Concilio da IPB manter um numero ficticio ou antes que não reflita a realidade da IPB. IPB vamos assumir nossa identidade, vamos voltar ao principio e valorizar o que a reforma nos trouxe, vamos engergar com os olhos sem vendas pois muitos morreram para que ela caisse……..

    Não ha maior prazere para um presbiteriano reformado calvinista do que poder observar o povo convicto nas santas escrituras, sabendo o Deus que serve, entendendo sua historia, valorizando o que Deus tem feito a Igreja, a irmão como seria maravilhoso se todos nós se empenhasse seriamente no estudo legitimo da palavra, e deixar os expedientes de estudos para defender posições de lado, teria serteza que teriamos tudo em comum, e os temas não seriam sobre danças, ou mulheres oficiais, parecemos segos tateando no escuro…….. me lembro bem que assuntos relacionados a estes que temos nos debates me foram apresentados na escola dominical quando mais jovem, logo depois em minha sala de catecumenos, e depois a cada pregação, culto, estudo biblico e leituras particulares eram reforçados meus alicerces…………. acredito que isso so mostra a falta de alinhamento e unidade da IPB.

     
  83. Edson Ferreira - Suzano

    11 janeiro, 2010 at 6:23 pm

    Completando, ainda temos a Confissão de Fé de Westminster.

     
  84. Elano

    16 fevereiro, 2010 at 5:43 pm

    Pelos argumentos que tenho ouvido a favor da ordenação feminina, o que posso concluir é que os argumentos em sua maior parte tem fundo sociológico e o preceito bíblico de liderança masculina é posto de lado.
    Os proponentes da ordenção feminina reconhecem que no lar a mulher deve ser submissa ao marido.Ora, se em um pequeno grupo a mulher não pode ser a cabeça, quanto mais em uma posição de liderança maior.

     
  85. ev.odilon de oliveira lima junior

    20 fevereiro, 2010 at 8:22 pm

    Não há base bíblica para a ordenação feminina…A mulher tem o seu papel na IPB e diga se de passagem é de louvar a Deus pelo trabalho desempenhado pelas nossas irmãs a
    frente da SAF. Este é o ministerio feminino, que serve de braço direito dos pastores, mas ordenar mulheres a cargo como diaconisa ou presbitera, logo estaremos orde
    nando mulheres a pastores. Que os defensores da ordenação feminina nos apresente um exemplo biblico clara dentro das escrituras….

     
  86. Solange

    24 fevereiro, 2010 at 11:23 am

    Sou mulher presbiteriana, e não desejo nenhum pouco ocupar nenhuma posição de liderança na igreja, sei que a mulher foi chamada para ser auxiliadora do homem, se as mulheres assumirem a liderança os papéis serão trocados e a mulher será cabeça e o homem irá lhe auxiliar em sua função de lider.

     
    • patricio silva

      26 fevereiro, 2010 at 8:49 pm

      A irmã está certa, poís, não devemos nos tomar de um desejo rancoroso, orgulhoso contra a ordem de Deus que foi dada a tudo o que foi criado. sendo que uma ordem Dele deve ser cumprida, pois ELE É SUPREMO e não nós. Se alguem acha que Deus errou, com certeza tomará posição contraria, armará suas tendas de guerra contra o DEUS TODO PODEROSO, tentara arrebatar suas palavras do coração de seus servos. arrastanto consigo mesmo muitos para a condenação.

       
  87. Silvano de Brito Maciel

    22 abril, 2010 at 4:47 pm

    lendo estes comentários acima,e tendo estudado desde 1982 este assunto,somos contra o ministério femenino,porque o ministério da mulherque ser mãe esta sendo cada vez mais tirado pela sociedade.machismo é colocar a rainha do lar fora do lar,quer trabalho mais gratificante, cuidar dos nossos filhos,são heranças do senhor,dando a eles o carinho que uma criança deve ter, acompanhar os passos da criança na escola,dia após dia como a bíblia nos ensina a educar.Mães de hoje e de outrora é grandea diferença,e nós homens somos culpado pois colocamos sobre elas um peso ainda maior de ter de trabalhar fora longe dos filhos para ajudar no orçamento do lar,não é este o desejo de Deus, por isso que temos uma criminalidade grande no brasil e no mundo,passamos esta responsabilidade as creches ou babás, avos etc.que não tem amor igual ao amor de mãe.A mulher esta em um pedestal acima do homem no que tange ao nome de mãe,mais ministério na igreja para ela, seria fazê-la descer deste pedestal e nivelar com os homens, a mulher é mãe de diácono, mãe de presbítero, mãe de pastor, e foi lhe dado a dádiva de ser mãe de JESUS.

     
  88. Célio Guimarães

    21 maio, 2010 at 8:13 pm

    Creio também que temos de mantermos nossa liderança nas mãos de homens abençoados por Deus ,porém estamos cada vez me parece mais carentes de líderanças ,temos que investir na formação de nossos líderes.

     
  89. sindyUS

    28 maio, 2010 at 3:58 pm

    Ciao. Mi dispiace per il mio italiano, sto iniziando a studiarlo. Per favore aiutatemi. Sono sposato con italiani. i primi tre mesi tutto period bello, ma ora mio marito mi fa uno schiavo! Egli non era permesso di socializzare con i miei amici, non lasciare l’appartamento! rende la cucina e la pulizia tutti i giorni. Ho cercato di spiegargli che anche io, e la gente vuole avere pace libero. Mi e` stato consigliato qui http://www.touquetventes.com/home/ appear e` spiegato. ma non e` cambiato nulla dopo che! mi aiuti per favore come spiegare a mio marito che anche io sono un uomo!

     
  90. Luiz Carlos Alves

    8 junho, 2010 at 11:18 am

    Amo a Igreja Presbiteriana e sua posição à luz da palavra. Nossa amada Igreja observa um rudimento secular, rudimento este que está condicionado ao orgulho do homem. Jesus disse a respeito do divórcio: quando os Judeus disseram que Moisés lhes havia autorizado o divórcio.”Mas no princípio não era assim, Deus tolerou o divórcio, por causa da dureza de vossos corações”.A mulher é a companheira por toda a vida, e há mulher em condições psiquicas emocionais superior ao marido, mas há marido também em melhores condições. A Igreja viu o senhor Jesus escolher discipulos e respeita isto. Somos orgulhosos como homens e devemos continuar a obra de Cristo. A mulher é a graça e a força, o homem a extrutura, a imagem paternal e a condição da célula mater…diferença de um mundo que abandona, que não respeita, que cria sem pai e sem mãe. Homem e mulher..cabeça e auxiliar..familia.

     
    • Karlos

      21 fevereiro, 2011 at 1:20 pm

      “Nossa” de quem?
      Eu achava que era de Jesus a igreja!!!!

       
  91. REIS - Mirassol-SP

    18 junho, 2010 at 12:52 am

    Aos amados em Cristo, concordo plenamente com a irmã Solange, as mulheres têm sua posição através das Sociedades internas como irmãs comprometidas que servem na seara do Senhor. Louvamos a Deus pelas vidas das nossas mulheres presbiterianas que com dignidade e intrepidez obedecem ao mandamento de Deus para serem nossas auxiliadoras. A ordenação de mulheres e anti-bíblica e é implementada por pessoas que tentam derrubar os pilares reformados que a IPB adota. QUERO AGRADECER AO IRMÃO QUE SE IDENTIFICOU COMO REVOLTADO, POIS O MESMO OUVIU A MENSAGEM DAS SANTAS ESCRITURAS QUE EXPUS NO DIA DA MINHA EXONERAÇÃO DO PRESBITERATO POR NÃO CONCORDAR COM FOGO ESTRANHO DENTRO DA DOUTRINA DA IPB, GOSTARIA QUE O MESMO ENTRASSE EM CONTATO COMIGO E UNIRMOS FORÇAS CONTRA ESSES VENTOS HEREGES DE DOUTRINAS QUE MAIS PARECEM DOUTRINAS MISTICAS DO ESPIRITISMO.

     
  92. rjrm

    23 junho, 2010 at 4:51 pm

    as mulheres tem a mesma capacidade que os homens, (falar que não há respaldo bíblico para as mulheres serem oficiais da igreja é fácil, gostaria de saber se existe presbítero regente na bíblia? tem respaldo bíblico?
    só para constar a SAF é unica sociedade da IPB que ainda não faliu.

     
  93. Rev.Ludgero

    23 junho, 2010 at 9:21 pm

    Meu querido rjrm

    Sem dúvida, as mulheres tem a mesma capacidade que os homens, mas paradoxalmente as mulheres não tem a mesma capacidade que os homens. Sim e não!

    Os homens não tem a capacidade de gerar filhos, por exemplo. Elas são fisica, emocional e criacionalmente diferentes dos homens. Graças a Deus.

    No entanto, a questão do oficialato na Igreja do Senhor não é uma questão de capacidade. Se fosse muitos não seriam sequer chamados. Nem mesmo para a salvação. Paulo disse que não foram muitos os de nobre nascimento que foram chamados e sim os humildes. Pois Deus ama escolher as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes.

    Paulo, afirmando a subordinação das mulheres, aponta para a criação e diz que o homem foi criado primeiro. Aponta para o pecado do homem e da mulher e diz que a mulher foi enganada. Isto não torna o pecado da mulher mais vil do que o pecado do homem, pelo contrário – Eva foi enganada e pecou. Adão pecou sem ser enganado – portanto, neste caso o pecado de Adão é mais sério e mais grave do que o pecado de Eva. No entanto, ainda que a mulher tenha tomado a iniciativa no pecar, quem foi chamado à responsabilidade foi Adão.

    Homem e mulher são diferentes e recebem da parte de Deus papéis diferentes no lar e na igreja. As Escrituras são abundantes nesta distinção.

    Sua pergunta – se existe presbítero regente na bíblia? Claro que existe! – Paulo faz uma diferença entre aqueles que se afadigam na Palavra – e por isto são dignos de dobrados honorários e aqueles que não tem esta responsabilidade. Por isto, nós os presbiterianos entendemos haver os presbíteros que governam (regentes) e os presbíteros que se afadigam no ensino (docentes). Eis o respaldo bíblico.

    Quanto a SAF, estive presente na reunião da Comissão Executiva da Confederação Nacional da SAF. Portanto, a maior e mais legítima representação das mulheres (SAF) da Igreja Presbiteriana do Brasil. Num certo ponto da reunião, deram a oportunidade para pastores presentes dizerem uma palavra. Um pastor do Rio de Janeiro, imagino que na tentativa de agradar as mulheres presentes, afirmou que estava lutando pela ordenação das mulheres para os ofícios sagrados. Sabe o que aconteceu, meu caro rjrm? Ele foi vaiado por todas as mulheres presentes. Elas se agitavam e afirmavam em alto em bom som: “Não queremos os oficios dos homens, nâo queremos ocupar o papel dos homens dentro da igreja – somos auxiliadoras e continuaremos sendo auxiliadoras”

    No entanto, meu caro rjrm – temos todas as outras socidades internas da IPB em pleno funcionamento. Se as mulheres não desejam o oficialato da igreja, talvez seja por isto que continuam firmes e crescendo em seu trabalho como mulheres, fiéis, crentes e auxiliadoras.

    Meu abraço

    Ludgero

     
    • Wesley Porfírio

      4 novembro, 2011 at 10:12 am

      Rev. Ludgero,

      Respeito muito sua opinião e tenho uma pergunta simples, corelata a ordenação de mulheres na IPB:

      A luz de 1 Timóteo 2:12, por que as mulheres podem ensinar nas Escolas Bíblicas Dominicais na IPB?

       
      • Rev.Ludgero

        18 novembro, 2012 at 8:11 am

        Creio que elas devem ensinar, conforme orienta Paulo a Tito. As mais velhas e provadas em sua fé devem ensinar as mais novas. Mulheres ensinando homens na ED me parece um erro.

         
  94. Cesar Rik

    16 julho, 2010 at 2:05 pm

    não sou formado em teologia, e nem em historia, mas lendo a Biblia sempre percebi que Deus usa sempre a cultura dos homens para estar agindo, por exemplo no velho testamento Moisés foi colocado no rio, por que na cultura do povo o rio era sagrado e tudo o que ele dava não podia ser jogado fora, em rom.16.1 fala sobre a irmã Febe que tem se destadado dentro da comunidade cristão da epoca, temos o testemunho de Esther, quando Cristo ressusitou a primeira pessoa que Ele apareceu foi uma mulher, e outras passagens tão importantes dentro da nossa Biblía. Acho que quando Jesus veio ao mundo, a sociedade era muito mais machista do que hoje, por isso a escolha de somente homens como os escolhidos, mas temos que lembra quantas mulheres sempre estavam em volta de Jesus em outros trabalhos e dando grande testemunhos de fidelidade a Ele. Tenho a impresão que os homens foram escolhidos, mas não vejo nenhuma proibição as mulheres possam ser diaconisas ou presbiteras, somente acredito se elas fossem escolhidas naquele momento para fazerem o serviço do Senhor seriam perseguidas e com certeza mortas o mais rapido possivel, pela lei dos homens, pois seria facil incrimina-las com qualquer crime, principalmente com o falso argumento de prostituição, lembram qdo levaram à Jesus uma mulher para ser julgada de vida leviana? o que aconteceu, ninguem teve coragem de apedreja-la. Se ainda hoje em pleno sec.XXI, a mulher ainda sofre com essa persiguição, pois pela lei dos homens são sempre julgadas sem piedade, enquanto os homens podem fazer o que querem, tanto na sociedade como na Igreja,manipulando, escondendo as verdades, fazendo acordos obscuros para cargos importantes.O que eu penso é que está na hora de darmos mais espaço para a mulher presbiteriana dentro da Igreja, pois alem de corajosas, inteligentes e temerosas a Deus elas não se vendem como temos visto os homens que se intitulam Servos de Deus, mas temos a certeza que serão cobrados perante a justiça Divina.

     
  95. Rev. Ronald

    18 julho, 2010 at 4:42 pm

    Vejo a luz das escrituras nenhuma brecha para o oficialato feminina. Deus é sábio, fez tudo correto. Cada um tem uma função no corpo de Cristo; inclusive as mulheres, pois, o Senhor não faz acepção de pessoas (Gal. 3:28-29). Todavia, na questão ministério sacerdotal e oficiais, foi e será até a consumação do súculo, função especifica para o homem.
    Em nosso Presbitério-PITJ, em uma das reuniões da SAF, pode ouvir que elas não querem fazer aquilo que é dever dos homens, mas, sim, serem auxiliadoras.

     
  96. MAM- MARTINÓPOLIS SP

    12 setembro, 2010 at 11:37 pm

    De fato, em razão dos movimentos feministas e de afirmação da mulher no mundo secular, o crescente apoio da mídia nesse sentido e infelizmente “igrejas” ditas evangélicas, procederem da maneira aqui questionada, levam alguns membros e freqüentadores de nossas IPB´s a crerem que aqui também tal situação seria possível. E não somos contra a proteção dos direitos da mulher, à igualdade de condições.
    Outra situação que cremos tenha estimulado tais sugestões que certamente não possuem base bíblica, é o distanciamento e a não afeição ao trabalho na igreja, demonstrados por muitos homens. É triste notar que muitos somente sentam-se nos bancos dos templos e no momento em que são chamados a contribuir com o trabalho do SENHOR se esquivam. Tal comportamento é notado pelas mulheres, que já se encarregam de afazeres importantíssimos nas sociedades internas existentes e cresce a indagação do por quê não ordenar presbíteras, pastoras, diaconisas? Creio que temos que investir mais e pesado na ESCOLA DOMINICAL, no DISCIPULADO, com os fundamentos da FÉ REFORMADA, CATECISMOS e CONFISSÃO DE FÉ, bem como, na necessidade de que a IGREJA não tem que se conformar com o mundo, o mundo não deve invadir a IGREJA. O tema é delicado, contudo, como aprendemos na PALAVRA DO SENHOR, importa que agrademos a DEUS e não aos homens. Ainda fico com a maneira “bereana”, está nas escrituras? Tubo bem, pode prosseguir. Se não está, pare por aí mesmo.

     
  97. iracruz

    27 outubro, 2010 at 8:14 am

    Hack again?!

     
  98. lucimar freitas de paula martins

    23 novembro, 2010 at 4:11 pm

    Sabe, hoje em dia tenho notado qual grande amor e dedicação as mulheres presbiterianas têm se envolvido na obra , muitas almas são salvas através dessas guerreiras do evangelho,Deus não cita na bíblia o nome de mulheres que eram cabeças, o cabeça é o homem , mas sem o corpo a cabeça não funciona , e nós somos o corpo, podíamos ter um pouco mais de valor, nas coisas do Senhor também,conseguimos através de nossos projetos, orações,visitas , levar Jesus a muitos , imagina só se pudéssemos pastorear, nossa , que benção, nossa unica intenção é levar as pessoas à Jesus , e nada mais

     
  99. Ev. Jose Carlos

    24 novembro, 2010 at 4:33 pm

    Boa tarde amados irmãos do Senhor!
    Estamos sim vivendo uma crise de lideranças em nossas igrejas, os homens ñ estão interessadas em trabalhar na obra do Senhor, com isso tem – se aberto um campo mto grd às mulheres e elas ñ perdem tempo, trabalam mesmo.
    Fico mto preocupado e pergunto: Até qdo conseguiremos segurar e impedir o ingresso das mulheres na liderança de nossas igrejas?

     
  100. Marcelo Morelli

    18 abril, 2011 at 3:52 pm

    boa tarde

    Toda essa falação não passa de vaidade, não conheço uma mulher de oração que queira e busque o pastorado, somente aquelas que querem aparecer entre os homens.

     
  101. Ethelpelers

    20 junho, 2011 at 10:47 pm

    I like! 😉

     
  102. CuttingEdge

    2 agosto, 2011 at 4:26 pm

    good day forum!

     
  103. JOSIMAR

    26 agosto, 2011 at 11:35 am

    Gosto dos textos piedosos daqueles que creem que a Igreja precisa orar e e ouvir a verdadeira vontade de Deus sobre a ordenação feminina. Mas, como Deus fala hoje pela sua Santa e Sagrada Escritura, a Bíblia, fica difícil encontrar respaldo para o modismo contemporâneo.

     
  104. marconi

    5 outubro, 2011 at 7:07 am

    eu queria saber sobre a questao de fala em linguas estranhas pq os presbiteros da minha igreja entrarao com um documento contra o pastor pg ele falou em lingua no pulpito e disse eu nao sou presbiteriano sou de jesus o q o supremo concilio diz sobre isso

     
  105. carlos augusto sousa moreira junior

    31 outubro, 2011 at 4:37 pm

    Caríssimo irmão e pastor Ludgero, sou presbiteriano de nascença e como tal, sou submisso às determinações do concílio da igreja.
    Todavia, sou particularmente a favor da ordenação feminina, não por critérios sociológicos ou pragmáticos, mas por reflexão do ministério de débora. Como é cediço, ela acumulou o ofício de profetiza e de juíza sobre israel, nesse último ponto não vejo como ela realizou tal façanha sobre a autoridade de qualquer homem, somente de Deus. Concordo que não há no NT qualquer referência enfática da ordenação de pastoras, porém o exemplo alhures não pode ser descartado, isto porque as escrituras, uma das formas especiais da revelação de Deus, não pode haver equívocos, se foi permitido que uma mulher no passado pudesse desempenhar tal papel, muito mais no presente.
    Note-se que os Juízes sobre Israel eram ungidos por Deus para libertarem o povo e também julgarem as suas causas, assim como os pastores são ungidos para desempenharem seu mister. Portanto, na posição de servo do Senhor Jesus, exponho minha posição acerca do tema, na forte expectativa de não ser considerado “neo-pentecostal”, pois esse espaço é de discussão teológica.
    Abraço de seu irmão em Cristo.
    Não esquecendo que aqui deixo minha posição pessoal, tomada a partir da bíblia, e que permaneço debaixo da autoridade da minha denominação.

     
    • carlos augusto sousa moreira junior

      31 outubro, 2011 at 5:05 pm

      Queria também fazer um pequeno esclarecimento ao Sr. Revoltado. Na emoção de denunciar algumas das incorreções teológicas, o caro irmão culminou em expressar igualmente alguns equívocos, tal como acerca do dom de liguas, profecias e visões. Nossa igreja (com base na pastoral realizada em meados de 1996) jamais negou a existência de tais dons, pois são bíblicos, o que se contesta é a forma errônea de tais manifestações. O dom de linguas deve ser exercido segundo as orientações de Paulo (sendo que tais liguas não são de anjos, mas linguas existentes), o de profecia (que em regra se refere à exposição das escrituras para a igreja) nunca pode ultrapassar as escrituras sagradas, nem revelar fatos pertinentes à igreja como um todo, vez que possuimos todas as informações necessárias através das escrituras, noutros termos, o dom de profecia somente se faz pertinente à luz da bíblia caso se limite à aspectos da igreja local. O mesmo pode ser utilizado com relação às visões.
      Isto posto, peço que o nobre imão antes de execrar tais dons, verifique a orientação de nossa amada igreja. Paz!

       
    • Rev.Ludgero

      18 novembro, 2012 at 8:10 am

      Meu estimado irmão Carlos Augusto

      Eu entendi sua argumentação. No entanto, em nenhum lugar os profetas foram ordenados. No Antigo Testamento a ordenação de dava em relação aos sacerdotes. Nenhuma mulher, no contexto do AT foi ordenada. As sacerdotizas ordenadas só o foram no ambiente pagão.

       
  106. Rev. Maurício de Almeida Soares

    20 janeiro, 2012 at 12:17 am

    Rev. Ludgero,
    acabei de ler sua resposta ao Dr. Waldyr Luz quanto à ordenação feminina (depois a li novamente com minha esposa).
    Deus abençoe o senhor, concordamos em genero, numero e grau.
    o Dr Luz precisava de uma resposta e Deus a deu através do irmão.
    ab.

     
    • Rev.Ludgero

      18 novembro, 2012 at 8:16 am

      O fato é que Dr. Waldyr Carvalho Luz, no que pese a sua inteligência, jamais foi confrontado em seu posicionamento quanto a ordenação de mulheres. Publicou diversas vezes suas opiniões no próprio jornal oficial de nossa IPB, o Brasil Presbiteriano, sem que ninguém apresetasse qualquer argumento dissentido. Era hora de dizer alguma coisa. A Revista Ultimado, que tem se mostrado tentente nestas questões lhe preparou uma entrevista, para que o Dr. Waldyr pudesse dizer o que eles queriam ouvir. Dr. Waldyr quando argumenta é sempre muito contundente e não poucas vezes agressivo. Chama os que discordam de sua posição sobre a ordenação de mulheres de “machistas”, trata os seus opositores como se fossem obscurantistas. Ele precisava de uma resposta!

       
  107. APARECIDO REIS DA SILVA

    25 janeiro, 2012 at 9:51 pm

    Meus irmãos a nossa igreja ( IPB) é Cessacionista prova disso é que no artigo 1º da Confissão de Westminster deixa bem claro que “tendo Deus outrora falado de muitas formas e maneiras nos fala através de Cristo (Hebreus 1).
    O Cânon sagrado já foi consumado, não precisamos de mais nenhuma revelação ou dom extraordinário, precisamos apenas e tão apenas perseverar na fé que nos foi outorgada através do Senhor da Igreja na sua Santa Palavra. Quanto a Débora usá-la como forma de defender a Ordenação Feminina é sem fundamento teológico nenhum, pois Deus permitiu aquela situação em virtude dos homens terem se acovardado em assumir responsabilidades CONFORME SE VÊ EM jUÍZES 4:9 : “Respondeu ela: Certamente irei contigo; porém não será tua a honra desta expedição, pois à mão de uma mulher o Senhor venderá a Sísera. Levantou-se, pois, Débora, e foi com Baraque a Quedes”… E Débora compreendendo isso logo após o intento do Senhor ter sido cumprido devolveu a autoridade aos homens, como fiel auxiliadora que era. “SOLI DEO GLORIA, SOLA SCRIPTURA”.

     
  108. APARECIDO REIS DA SILVA

    5 fevereiro, 2012 at 3:33 pm

    Caro irmão Carlos Augusto Sousa Moreira Junior, já até corrigi seu nome com as letras iniciais, rsrsrsrss… Amado irmão nossa igreja é Cessacionista, crê que os dons extraordinários foram utlizados com um fim específico e para uma época específica na pregação e propagação da palavra de Deus, como se confirme em nosso Catecismo de Fé capítulo 1º e leia Hebreus 1. Nossa fé é bíblica e não precisamos de novas revelações a não ser unicamente a Revelação da Palavra de Deus. Um abração e medite na Pastoral de 1996 e verás que a Conclusão justamente é que tais dons cessaram. Fique na paz de Cristo e que ele te conforte e abra o entendimento sobre a nossa fé Reformada e Calvinista. “SOLI DEO GLORIA, SOLA SCRIPTURA”.

     
    • Anônimo

      15 agosto, 2012 at 12:02 pm

      estou com ela em mãos e vou transcrever o que está escrito nela, mas antes peço que você medite no texto de hebreus que você citou, não há em nenhuma parte desse texto alguma afirmação de que os dons cessaram, para falar a verdade muitos dos dons do espirito foram manifestados após o pentecostes, ou seja, depois de Cristo, logo esse texto está afirmando apenas que Cristo é plena revelação de Deus. Quanto ao dom de linguas cito a pastoral: “No que se refere ao seu propósito de edificação da Igreja, o Novo Testamento, entretanto, não explicita a cessação ou continuação do dom de línguas além do período apostólico. Assim, a questão da contemporaneidade do dom de línguas não pode ser determinada de forma final a partir dos dados escriturísticos (…)”, “Os que crêem na cessação absoluta do dom de línguas têm, às vezes, apelado para 1 Co 13.10 como evidência. Entretanto, esta passagem não pode ser usada como prova indiscutível da cessação das línguas, visto que não é claro no texto que to\ te/leion, “o que é perfeito,” se refira quer ao fechamento do Cânon, quer à maturidade espiritual da Igreja, podendo perfeitamente ser uma referência à Segunda Vinda de Cristo” (…) “A Escritura ensina e a Igreja crê que, em Sua soberania, Deus pode conceder o dom de línguas à Igreja quando Lhe aprouver, em qualquer período da História. A Escritura também ensina e a Igreja crê igualmente, que uma manifestação genuína do dom de línguas deverá sempre seguir o padrão revelado pelo próprio Deus nas Escrituras, quanto à sua natureza, seu propósito, e sua utilização. A Igreja não se sente compelida a aceitar como genuínas quaisquer manifestações contemporâneas de “línguas” que não se conformem ao precedente estabelecido pelo Espírito Santo nas Sagradas Escrituras”. Quanto ao dom de profecias ” Quanto ao ministério dos profetas nas igrejas locais, pouco sabemos. Historicamente, tem-se entendido a profecia neotestamentária como sendo a própria proclamação da Palavra. Esta posição se harmoniza com passagens do Novo Testamento onde a profecia é descrita como trazendo instrução, edificação e conforto à Igreja (cf. 1 Co 14.3). A condição para que um profeta falasse era que recebesse “revelação” da parte de Deus (1 Co 14.30). Muitos estudiosos acreditam que Paulo aqui não está usando a palavra “revelação” (a)poka/luyij) no mesmo sentido da revelação histórica e única dada aos apóstolos (cf. Rm 16.25-26; Cl 1.26; Gl 1.15-16), mas sim num sentido secundário, como iluminação ou mesmo direção em circunstâncias especiais relacionadas com o ministério apostólico (ver Gl 2.2; At 16.9; 18.9). O mais provável, tendo em vista 1 Co 14.3 e At 15.32, é que a revelação recebida pelos profetas nas igrejas locais consistia em uma mensagem baseada nas Escrituras, que visava a edificar, a confortar e a instruir a Igreja, à semelhança dos profetas do Antigo Testamento, cuja atividade principal consistia em aplicar a Lei de Deus às consciências do povo, exortando, instruindo, sondando os corações e consolando.[73] Fosse qual fosse a natureza da profecia, deveria ser examinada e julgada pela comunidade ou demais profetas (observe o imperativo “julguem” em 1 Co 14.29, diakrine/twsan), para ver se estava em harmonia com a doutrina apostólica (notar como Paulo exige dos profetas reconhecimento de que seu ensinamento é Palavra de Deus, 1 Co 14.37). Está claro que as palavras dos profetas não deviam ser desprezadas,[74] porém, não eram para ser aceitas sem avaliação e exame, ao contrário das palavras dos profetas do Antigo Testamento”. “Assim, revelações ou predições de eventos relacionados com a vida de indivíduos não devem ser encorajadas, esperadas como ocorrência normal e costumeira durante as reuniões do povo de Deus, e nem recebidas sem avaliação e exame”. Veja que nesse último ponto, a pastoral não afirma que cessou, mas que não é costumeira ou que devem ser recebidas sem avaliação e exame”.

       
      • Rev.Ludgero

        18 novembro, 2012 at 8:19 am

        A posição cessacionalista é de nossa Confissão, a qual todo o oficial da IPB afirma ser “exposição fiel das Sagradas Escrituras”!

         
  109. David Marques

    5 maio, 2012 at 7:33 pm

    Gostaria de ler os presbíteros docentes e regentes que viajam pelo mundo calvinista(pois não posso), o que pensam os teólogos do restante do mundo, a respeito destas interpretação bíblica dos nossos doutores(formados na Europa e America), brasileiros.
    Pois as vezes acho que somos os únicos a ir para o céus(pois os hereges,não entraram lá)
    No desejo de aprender, aguardo esclarecimento

     
    • Rev.Ludgero

      18 novembro, 2012 at 8:17 am

      Você quer aprender, ou você quer escarnecer?

       
  110. Carlos Augusto Sousa Moreira Junior

    17 agosto, 2012 at 8:12 am

    Irmão Aparecido, a questão é que sob a ótica da doutrina reformada “somente às escrituras” não há como se afirmar categoricamente o fim dos dons espetaculares. Note-se, eu nunca vi uma manifestação do dom de linguas como se verifica nas escrituras (somente ouvi falar através do pregador reformado tim cornway), mas o fato de esse dom não se manifestar hoje, não nos permite afirmar que cessou, visto que não há qualquer versículo que permita a nós entendermos desse modo.
    Por fim, nossa igreja não é cessacionista, ocorre que alguns defendem isso e outros não, não há um veredito da liderança sobre esse ponto, não que eu saiba. Abraço e paz.

     
    • Carlos Augusto Sousa Moreira Junior

      17 agosto, 2012 at 8:30 am

      Quanto a Débora, a questão é se Deus permitiu que ocorresse da forma como vc mesmo afirmou “em virtude dos homens terem se acovardado em assumir responsabilidades”, o que impede de Deus fazer o mesmo? haja vista que a situação é bastante similar, no nordeste faltam HOMENS corajosos o suficiente para irem ao interior, ao sertão, e lá suprirem as necessidades dos campos da ipb. Outro ponto é quer a bíblia no versículo 4 e 5 afirma que Débora era profetiza e julgava israel antes mesmo da covardia de Baraque, logo esse ofício não era transitório. Além disso, em atos podemos ver que as filhas de tiago profetizavam e paulo não as repreendeu.
      enviei uma resposta acerca do texto de Hebreus, não sei se vai ser publicada porque não coloquei o email, sobre esse ponto peço que reflita sobre o que está escrito em hb 1. Nele não há qualquer evidência de que os dons do espirito espetaculares se encerraram, visto que a maioria dos dons espetaculares ocorreram depois de Cristo. Concordo que com o encerramento do Canon não necessitamos de revelações para sabermos a vontade de Cristo e Conhecê-lo, todavia as linguas e as profecias verificadas no NV não tinham o condão de compor o Canon, mas para edificação da igreja local através de alguma mensagem específica de Deus. Como dito em outro post, nunca vi ou presenciei tais dons, mas isso não me permite afirmar que eles se encerraram.

       
      • Carlos Augusto Sousa Moreira Junior

        22 agosto, 2012 at 8:33 am

        Mais um ponto: Em Mc 16:17-18 Cristo afirma que “Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados”. O Senhor não diz que esses sinais hão de acompanhar aqueles que crêem até que o canon se complete. Não tenho dúvida que os sinais acompanharam os apóstolos para legitimar o seu ministério, todavia não há evidencia bíblica que os crentes “normais” não possam ser instrumentos de Deus para manifestarem tais sinais. Em suma, não há textos bíblicos (desprezando aqui qualquer outro argumento pragmático ou filosófico) que apontem para o encerramento dos dons espetaculares, os textos bíblicos, entretanto, ensinam o contrário.

         
      • Rev.Ludgero

        18 novembro, 2012 at 8:22 am

        Será que ensinam o contrario, mesmo? Um dos mais importantes exegetas do NT, Kistemaker, tem posição diferente do irmão Carlos Augusto.

         
  111. Asp. Adenilson

    20 agosto, 2012 at 2:48 pm

    Graça e Paz. A Igreja Presbiteriana do Brasil não é uma igreja perfeita, mas está sempre buscando a perfeição em Cristo para glória celestial. Temos um governo bem próximo do que diz a bíblia quanto as Igrejas. Como toda denominação, estamos enfrentando dificuldades de recursos humanos capazes de substituir nossos antepassado. Presbíteros e Diáconos que se empenhavam no trabalho da igreja, Pastores que passavam horas em visitas preocupados com o crescimento da Igreja. Hoje temos poucas pessoas que conseguem suprir os deveres dos oficiais. Mas de uma coisa podemos ter a certeza, que Deus sempre permanece com a Igreja e nunca desamparará os fiéis em Cristo Jesus. Vamos trabalhar com quem quer trabalhar e investir nos obreiros de Deus da IPB.

     
  112. Presb. Ivan Wilson de Araujo rodrigues

    15 outubro, 2012 at 11:00 pm

    Amados o que vejo em tudo isto, está muito bem descrito na opinião de muitos varoes de Deus que opinaram baseado nas sagradas escrituras, este assunto na verdade não era nem mais para ser ventilado. parece até que aquilo que o SC decidiu não tem importancia, já quatro anos seguintes volta de novo. Isto já foi cantado e decantado, não há na Biblia fundamentação para se ordenar mulher na Igreja Cristã, quem o faz, faz a revelia das sagradas escrituras. Mas é preocupante pois, lamentavelmente, isto tem encontrado eco no colo de certos pastores que hoje apoaim, amanhã vao apoiar a ordenação de viados, gueis, lesbicas etc, pois se isto hoje choca, amanhã vai ser bem natural, então estas mesmas pessoas vao apoiar, ate porque já plantaram sua sementes. Estou vendo hoje chamando mulheres para servir a ceia do Senhor, indo de encontro a propria Constituição, escandalizando a Igreja. Pois as proprias mulheres de Deus sabem que isto é competencia dos presbiteros, podendo até na falta destes chamar um outro oficial. E o fim meus irmãos, espero que o Senhor me chamem antes que tudo isto ocorra.

     
    • Carlos Augusto Sousa Moreira Junior

      14 dezembro, 2012 at 5:55 pm

      Meu irmão, observe que o seu comentário fugiu o padrão da discussão teológica aqui tratada. Será que todo aquele que defende o ministério feminino defenderá a ordenação de homossexuais (termo correto, pois “viado” é ofensivo e para lá de anticristão)? Acho que não.
      Observe que existem pessoas aqui que discutem o tema amparando-se nas escrituras, se estão certos ou errados, torna-se outra questão. O fato é que, excepcionando alguns comentários, o tom da discussão é puramente teológico, fique na paz de Deus que excede todo entendimento!
      Obs: Não é o fim irmão, pois se você observar a história, de heresias piores a igreja já se livrou, lembre-se que Deus é o Senhor da igreja, Ele manterá (como sempre manteve) o remanescente fiel.

       
  113. veronilton Paz

    13 novembro, 2012 at 3:15 pm

    Graça e paz!
    Na instituição do diaconato em atos 6 quantas mulheres foram escolhidas para o oficio? Nenhuma. Quanto a Dorcas não há base nem biblica ou histórica para dizer que foi diaconisa, ela foi uma serva, discipula de Cristo como tantas outras, mas daí dizer que exerceu o ofício de diaconisa, é forçar o texto. Quanto a discipulas, todos somos discupulos, mas todos não somos oficiais, apenas alguns são escolhidos, e só existem dois oficios que é presbitero e diacono, estes ofícios a Escritura deixa claro que é masculino.

     
  114. David M

    19 novembro, 2012 at 9:49 am

    O que ainda me impressiona é que os Drs. da igreja, na hora de estudarem essa teologia exclusivista, vão aos EUA e a Alemanha, e voltam ensinando a teologia do mesmo jeito que foram,para que ir,se já estão “pré-conceituados “,contra a ideia da mulher no ministério?
    Vejo, ainda que a distância, pois não tenho condições financeiras de viajar para estudar e passear no exterior, que as demais igrejas de Teologia Calvinistas( sem contar as demais, não levando em conta as da última trombeta), não interpretaram o ministério feminino como uma heresia, ou como a volta de Jesus,por este motivo .

     
  115. Carlos Augusto Sousa Moreira Junior

    14 dezembro, 2012 at 6:08 pm

    Irmão ludogero, não tenho dúvidas que existem pessoas com posicionamento contrário ao meu. Todavia, os comentários de Kistemaker acerca do novo testamento não tem força vinculante na nossa igreja. Se assim o fosse, não seriamos uma igreja reformada (somente as escrituras) mas uma cópia da igreja católica. Veja bem, talvez eu esteja errado como também é possível que Kistemaker esteja errado, mas as escrituras que tenho em mãos (almeida revista e atualizada) não me permitem concluir que os dons espetaculares se encerraram. Se há algum texto nesse sentido, publique por favor. Tenho mente aberta e se eu estiver errado não tenho problemas em admitir. Paz.

     
  116. Carlos Augusto Sousa Moreira Junior

    15 janeiro, 2013 at 10:34 pm

    Irmão Ludgero. Qual artigo da Confissão de Fé indica a posição cessacionalista? Não encontrei nenhum que afirme isso. O artigo primeiro afirma somente que cessaram os antigos modos de revelar Deus a sua vontade ao seu povo. Os dons do espírito que estão em debate não são considerados “formas de Deus revelar a sua vontade ao povo”. E a pastoral sobre o Espirito Santo? Foi revogada? Mudando um pouco de assunto, queria saber da sua posição sobre o art. 110 do constituição da igreja no tocante ao limite da “conveniência ou do juízo de oportunidade” do conselho para realizar a eleição de pastores efetivos. Isto porque este artigo pode legitimar a postergação da eleição de pastores ad aeternum.

     
  117. Carlos Augusto Sousa Moreira Junior

    16 janeiro, 2013 at 10:30 am

    irmão Ludgero, há algumas semanas fui informado que a resolução do SC acerca da incompatibilidade da maçonaria com a fé cristã foi anulada na reunião da executiva. Isto é verdade? Por favor peço que exponha o atual entendimento da direção da nossa igreja sobre esse tema. Paz!

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: